As evidências são muitas, e o legado de dor incalculável, mas a verdade é que há movimentos que continuam a querer provar que o Holocausto não passou de uma mentira fabricada. À medida que os sobreviventes envelhecem e morrem, a discussão passa a centrar-se sobretudo no conhecimento histórico, nos livros e relatos, o que tem dado origem a algumas batalhas judiciais. Veja-se a história real ilustrada em «Negação» (2016): Deborah E. Lipstadt foi processada por um “negacionista” e teve de provar que o Holocausto aconteceu mesmo.

O realizador Philippe Le Guay, que participa no argumento com Marc Weitzmann e Gilles Taurand, traz em «Um Intruso na Cave» (2021) uma narrativa com o mesmo foco e crítica social.

Após vender a cave a um homem aparentemente inofensivo, Simon Sandberg (Jérémie Renier) descobre que ele é um “negacionista”. Jacques Fonzic (François Cluzet), professor de História, alinha em discursos antissemitas e cria material que serve de base a grupos radicais, que o propagam pela Internet como verdades inquebrantáveis. Além disso, Jacques é um homem reles e sem qualquer pudor em insultar os que considera “diferentes”.

O casal de judeus, Simon e Hélène (Bérénice Bejo), bem como o irmão David Sandberg (Jonathan Zaccaï), tentam travar uma luta judicial com o homem, que, inclusivamente, usa a cave inóspita como habitação. Embora esse facto desagrade à quase totalidade dos moradores, são poucos aqueles que percebem a mágoa dos Sandberg pelo comportamento antissemita de Jacques. E nesta separação a família fica, praticamente, a travar uma luta solitária.
O argumento de «Um Intruso na Cave» é um pujante murro no estômago: como lidar com a pior faceta do ser humano? Numa balança desequilibrada à partida, até quando o lado da “razão” pode aguentar antes de partir para a violência? Todas as questões lançadas pelo cinema são muito importantes para uma análise social, que apela à capacidade de a audiência analisar criticamente a informação que recebe.

Não é um tema fácil, «Um Intruso na Cave» é bastante direto aos assuntos, sem floreados, twists ou momentos expansivos. A história é o que é, e a lei nem sempre antevê (ou quer agir) situações como aquelas em que os Sandberg se encontram. Jacques por ali vai ficando e, apesar de os vizinhos não se mostrarem solidários, são mais um foco de tensão para o núcleo central.

Título original: L’Homme de la Cave Realização: Philippe Le Guay Elenco: François Cluzet, Jérémie Renier, Bérénice Bejo Duração: 114 min. França, 2021

https://www.youtube.com/watch?v=S2I0_tIItBM
Please enable JavaScript in your browser to complete this form.

Vais receber informação sobre
futuros passatempos.