Kevin Costner realizou um filme-legado sobre a conquista do Oeste americano, «Horizon: Uma Saga Americana – Capítulo 1» é uma super produção de um western como raramente foi visto no grande ecrã. Kevin Costner criou um ambicioso retrato na base da identidade americana à custa do genocídio dos nativos americanos e o percurso árduo dos colonos para criarem novas fronteiras baseadas no sacrifício, na ambição e na violência, mas também actos de bondade, compaixão e amor.

A METROPOLIS teve o privilégio de estar presente na conferência de imprensa virtual de «Horizon: Uma Saga Americana – Capítulo 1». O evento foi moderado pelo crítico e jornalista norte-americano Pete Hammond com a presença de um vasto elenco e o timoneiro Kevin Costner.

A entrevista integral, com o vasto elenco e Kevin Costner, será publicada na edição de Julho da revista METROPOLIS.

Os westerns têm um apelo universal. Fale-nos sobre a forma como os espectadores se vão relacionar com «Horizon: Uma Saga Americana – Capítulo 1» a nível global, não apenas nos Estados Unidos.
Kevin Costner: Bem, acho que os filmes têm sempre essa hipótese de se relacionarem. Não somos assim tão diferentes. Talvez não partilhando a mesma língua ou costumes, mas se pensarmos na América, não é assim tão antiga em comparação com o resto do mundo. E o que isso realmente significa é que começámos a receber informações sobre a América de há cerca de 400 anos. A América estava a ir muito bem sem nós, e foi colonizada por europeus, por pessoas vindas de todo o mundo. Começaram a perceber que havia aqui uma promessa, que havia uma terra tão grande que ia tão longe que podiam ter o que não tinham na Europa. Era como, refiro-me a ela como o Jardim do Éden. E o que eles não se aperceberam é que havia aqui um povo que estava a florescer há 15.000 anos. E estas duas ideias entraram em conflito de mar a mar e o nosso filme trata disso. Mas as pessoas que atravessaram a América, não se enganem, vieram da Europa.

Kevin, esta história tem estado contigo há tantos anos, acho que desde 1988, mudou muito desde a sua génese até ao que vemos em «Horizon: Uma Saga Americana – Capítulo 1»?
Kevin Costner: Em 1988 era um único filme e, quando não consegui fazer esse, decidi fazer mais quatro. Por isso, a lógica disso é puramente americana, penso eu [risos]. E o que fiz essencialmente foi reformular a primeira história, que é quase como muitos westerns são. Começa com uma cidade – sempre uma cidade – e esquecemo-nos de que as pessoas que lá estiveram primeiro, que quando uma estaca foi espetada no chão. A primeira imagem que temos em Horizon é uma estaca a ser espetada no chão, e saem de lá formigas. E foi uma metáfora, mais uma vez, para o caos que começámos. Deslocámos pessoas. Por isso, quis mesmo começar pelo princípio e peguei nas personagens da história original e consegui simplesmente reformular oito ou nove delas, por isso há uma quinta história. Há mais uma história que, talvez um dia, eu venha a criar. Mas isso levou-me a uma história maior. Levou-me a uma aventura melhor. Sinto que tudo o que eles estão a descrever [no filme] foi real. O Oeste não é uma terra na Disneylândia, era real.

E havia decisões de vida ou morte. E não foi ao longo de um filme. Foi ao longo de 200 anos. O personagem do Luke [Wilson] está a arbitrar se vão enforcar alguém. É apenas um homem simples que foi eleito. E eu tentei tocar nestas coisas. Uma mulher a tomar banho apenas porque tinha o desejo de se limpar. Uma mulher a correr pela vida e que se esconde debaixo de uma casa durante três noites seguidas. Eu chegarei aos famosos “tiroteios”. Prometo. Mas adoro o que acontece pelo meio.

É um dos grandes salvadores do western americano. Ao longo de toda a sua carreira, desde «Silverado», «Wyatt Earp», e depois, claro, «Danças com Lobos» e «Yellowstone». Mas este deve ser o seu projeto mais ambicioso até agora. São quatro partes, são praticamente 12 horas, apresentadas de uma forma única para uma exibição em cinema. Qual foi a sua ideia ao apresentar esta história desta forma?
Kevin Costner: Bem, quando faço uma história, não quero parar até a acabar. E quando olho para ela, tento perceber o que foi. E foi realmente uma viagem. Não é um filme de enredo. Por isso, eram quatro. A minha ideia não era esperar para ver se o primeiro era bem sucedido. Eu acredito em contar esta história. A única maneira de ser bem sucedido, na minha opinião, é estar completo. Todos recebemos lápis de cor na escola e cada um de nós faz um desenho e ele fica diferente.

Kevin, ao longo da sua impressionante carreira, tem-nos entretido com vários projectos do género western. Estou genuinamente interessado em saber quais são os seus western preferidos de todos os tempos”?
Kevin Costner: Há cerca de três. Acho que “Liberty Valance” [«O Homem Que Matou Liberty Valance», 1962]. É baseado na escrita, por isso gosto bastante de “Liberty Valance”. E acho que «How the West was Won» [«A Conquista do Oeste», 1962] despertou a minha imaginação. Mas eu tinha sete anos, e essa é a essência dos filmes, não é?

Que nós, por alguma razão, vamos e vemos estas coisas no escuro. Todos nós já o fizemos. Fomos levados para o cinema quando éramos crianças. É o único sítio onde os nossos pais nos deixam ir sozinhos. Porque, por alguma razão, o cinema era considerado seguro. Foi onde aprendemos a beijar. É assim que se faz.

Kevin, escolheste a Sienna Miller para retratar uma mulher tão real quanto possível, mesmo do período da Guerra Civil. O que é que viu nela?
Kevin Costner: Uma das nossas grandes actrizes principais. E há outras mulheres sentadas neste palco que podem encabeçar filmes e vão fazê-lo. Mas a Sienna era a nossa líder. Ela é luminosa. Tem o milagre de ficar mais bonita quanto mais poeira tiver em cima. E ela aproveitou tudo o que eu tinha para dar, e todas elas tiraram, vou dar-vos apenas um exemplo. «Danças com Lobos» demorou 106 dias a fazer. «Wyatt Earp» demorou cerca de 113 dias. Fizemos este filme em 52 dias. E estes actores nunca se afrouxaram. Eles têm óptimas capacidades. São pessoas muito específicas. Os momentos não eram perfeitos para eles. Mas eles nunca se retraíram. E isso começou com a Sienna. A forma como ela se comportou. E todos eles, simplesmente, nunca os vou esquecer. Estamos ligados para sempre neste filme. E eles apareceram quando estavam 43 graus.

Apareceram quando estava mais difícil. Quem sabe o que estava a acontecer nas suas vidas pessoais, porque somos seres humanos. Retratamos outras pessoas, mas as nossas vidas continuam a decorrer. E cada um deles deu-me tudo. E o que é que se pode pedir mais? E tudo começou com a Sienna. E quando comecei a construir, trabalhei com actores com quem já tinha trabalhado e com actores que nunca tinha conhecido, que agora me mudaram e me marcaram. E actores com quem vou querer continuar a trabalhar. Começamos com alguém, e ela era a nossa líder.

«Horizon: Uma Saga Americana – Capítulo 1» estreia nos cinemas a partir de 4 de Julho

https://www.youtube.com/watch?v=ABHHU_TWOKM

Please enable JavaScript in your browser to complete this form.

Vais receber informação sobre
futuros passatempos.