A Civil

A CIVIL

A CIVIL

«A Civil» foi realizado pela Teodora Mihai, que co-assinou o argumento com o romancista mexicano Habacuc Antonio De Rosario. A acção desenrola-se no México e aborda a vivência traumática dos raptos de pessoas comuns por parte dos narcotraficantes. O filme fala sobre um país que mudou radicalmente desde 2006, com o início da guerra contra as drogas, com a violência a entrar na vida das pessoas comuns. Os acontecimentos são processados através da perspectiva de uma mãe. Podemos categorizar a obra como um drama de terror tal é a exposição a um submundo infernal e diabólico onde se desce até ao macabro num piscar de olhos. Cielo (performance arrasadora de Arcelia Ramírez) recebe uma chamada a informar que a sua filha adolescente foi raptada, para voltar a vê-la terá de pagar uma quantia avultada. Após o pagamento a filha não aparece e a senhora de meia-idade parte à descoberta do paradeiro da filha num povoado mexicano. É uma emancipação da protagonista subserviente que decide abandonar a sua fraqueza e procurar a filha. «A Civil» faz uma viragem inesperada para o policial enquanto o drama da perda se torna cada vez mais intenso. Nos ombros de Arcelia Ramírez está um desempenho poderoso ao vestir o duplo papel de mãe angustiada, mas corajosa, que enfrenta um inimigo desprovido de humanidade. «A Civil» é um daqueles filmes que fica com o espectador, o conhecimento de que aquilo a que acabamos de assistir é real e acontece todas as semanas no México deixa-nos com um arrepio por todos aqueles que vivem nesse clima, algo que passa como uma cópia carbono para o filme. «A Civil» foi produzido por produtoras mexicanas, romenas e belgas e possui traços do melhor dessas cinematografias, nos últimos 20 anos, pelo seu realismo e capacidade de revelar através de uma narrativa coerente de ficção situações inimagináveis do mundo real.

Título original: La Civil Realização: Teodora Mihai Elenco: Arcelia Ramírez, Álvaro Guerrero, Ayelén Muzo Duração: 140 min. Bélgica/Roménia/México, 2021