SORTE À LOGAN

SORTE À LOGAN

Steven Soderbergh é um cineasta de excepção. Um verdadeiro homem dos sete ofícios. A versatilidade da sua carreira impressiona, tanto é capaz de criar um objecto art-house filmado com um telemóvel como de orquestrar um mega sucesso de bilheteiras; seja no cinema ou na TV, Soderbergh parece dotado com o toque de Midas (mas sem a maldição associada!). Dito isto, concentremo-nos em «Sorte à Logan», espécie de versão saloia de «Ocean´s 11», tem a beleza de um carro de luxo que anda por caminhos de cabras, um assalto à Meca do automobilismo sulista (um popular circuito NASCAR) feito com precisão, inteligência e pazadas de estilo! Os actores personificam uma mão cheia de cromos que pretendem levar a cabo o assalto perfeito e vão deixar banzados a polícia e nós, os espectadores. No meio de toneladas de diversão também há espaço para sentimentos, como os dilemas de um pai (Channing Tatum) divorciado que deseja ser um motivo de orgulho e uma figura presente para a sua filha (Farrah Mackenzie). Sempre imprevisível, Channing Tatum traz muito mais do que músculo puro à personagem que interpreta; Daniel Craig, que tem neste filme uma das suas melhores performances fora do fato de 007; Adam Driver continua em estado de graça; e Riley Keough, a revelação feminina dos últimos tempos, ilumina o ecrã com a sua beleza e sensualidade. Recordamos que a neta de Elvis Presley mostrou ao mundo que sabia realmente interpretar em «The Girlfriend Experience», uma série produzida por Soderbergh e baseada no seu filme homónimo. Podem fazer arrancar os motores e preparem-se para 120 minutos de entretenimento a tocar a redline. «Lucky Logan» enche as medidas e Soderbergh é um génio que fez mais uma obra magnífica com um pé atrás das costas.

Título original: Logan Lucky Realização: Steven Soderbergh Elenco: Channing Tatum, Adam Driver, Daniel Craig. 118 min. EUA, 2017

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos recentes

00:30 A HORA NEGRA

o filme pede para ser visto, não como uma investigação que se “completa” através de outras informações, mas sim como um objecto que contém todos os elementos necessários e suficientes para com ele lidarmos e pensarmos.

Ler artigo »