Sítio Certo, História Errada

SÍTIO CERTO, HISTÓRIA ERRADA

SÍTIO CERTO, HISTÓRIA ERRADA

Distinguido com o Leopardo de Ouro da edição de 2015 do Festival de Locarno, «Sítio Certo, História Errada» é um caso exemplar da escrita romanesca (será que faz sentido falar de romantismo?…) de Hong Sang-soo, por certo um dos nomes mais internacionais entre os cineastas da Coreia do Sul. O seu gosto pela ambivalência das relações de um determinado par leva-o a procurar dispositivos contaminados por uma ambivalência bizarra, a meio caminho entre a estranheza dos sentimentos e a especulação formalista. Assim acontece neste caso, uma encenação discreta e contida da experiência de um realizador de cinema que, numa viagem para acompanhar a apresentação de um dos seus filmes, estabelece diálogo com uma jovem que já foi modelo e passou a dedicar-se à pintura… Estamos perante um pequeno teatro de ilusões — até que ponto as palavras que trocam resultam da cordialidade dos respectivos estatutos ou envolvem já um secreto exercício de aproximação e sedução? A pergunta duplica-se, literalmente, já que Hong Sang-soo divide o seu filme em duas partes que correspondem a diferentes encenações daquele encontro. O resultado é um jogo de espelhos cuja facilidade formal não exclui uma contagiante ironia sentimental, como se se tratasse de expor as ilusões que as palavras trocadas ampliam ou desmontam. Lembramo-nos um pouco do cinema de Eric Rohmer, mas nada nos garante que o mestre francês seja uma referência para o labor de Hong Sang-soo.

Título internacional: Right Now, Wrong Then Realização: Hong Sang-soo Elenco: Min-hee Kim, Jae-yeong Jeong, Yeo-jeong Yoon. Duração: 121 min. Coreia do Sul, 2015

[Texto originalmente publicado na revista Metropolis nº50, Junho 2017]

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Artigos