Reunião

REUNIÃO

REUNIÃO

«Reunião» é uma obra solene do estreante Fran Kranz, uma elegia sobre a dor, o perdão e a reconciliação a partir do encontro de dois pares de pais numa Igreja episcopal. É uma conversa em tempo real onde se aborda a tragédia que os une após um fatídico tiroteio numa escola norte-americana. É um intenso diálogo entre a família do atirador e da vítima onde não se procuram vilões mas a humanização de pessoas no difícil entendimento das razões que levam alguém a matar indiscriminadamente colegas de escola. O argumento de Fran Kranz foi baseado em anos de investigação sobre os tiroteios nas escolas americanas e sobre os pais das famílias dos atiradores e das vítimas que se encontram para tentarem perceber o impercetível perante uma dor indiscritível de quem perdeu os filhos perante o irracional.

«Reunião» não é uma obra convencional, mas também não é um slow movie, apesar da acção decorrer maioritariamente numa sala de uma igreja. É um filme que passa a voar, mas tão cedo não o esqueceremos. A palavra e a memória comandam totalmente os acontecimentos e hipnotizam o espectador do primeiro ao último minuto. As interpretações do ensemble são tão arrasadoras que por vezes temos que nos lembrar que estamos a ver quatro actores: Ann Dowd, Reed Birney, Jason Isaacs e Martha Plimpton em performances que definem as suas carreiras. Interpretações de uma expressividade superlativa onde se dissipou a barreira entre o ficcional e o real. Mesmo sendo injusto destacar alguém deste quarteto, Ann Dowd e Jason Isaacs arrepiam pelos papéis que encarnam levando mais além a sua actuação.

A inteligência desta obra catártica passou pelo espinhoso percurso que os personagens percorrem e de que os espectadores participam sem artifícios cinematográficos – não há flashbacks, tudo se concentra naquela sala, numa encarnação de sentimentos pesados.

«Reunião» é uma lição de vida que não tentou encontrar culpados, preocupando-se em apresentar os dois lados de uma situação adversa e o entendimento das acções de quem partiu e de quem ficou. Desmontam-se percepções de apatia e ódio, apresentando de forma realística a vida para lá da dor. É uma produção americana em vias de extinção com uma mensagem urgente pela abordagem de temas universais e a criação de pontes de entendimento comum numa sociedade cada vez mais polarizada em pleno século XXI.

Título original: Mass Realização: Fran Kranz Elenco: Ann Dowd, Reed Birney, Jason Isaacs, Martha Plimpton 111 min. EUA, 2021