Recreio

RECREIO

RECREIO

O «Recreio» é um mundo. Na transição para o português deixou-se cair o título original, mas o essencial mantém-se. Na sua primeira longa-metragem (apresentada na secção Un Certain Regard do Festival de Cannes 2021), Laura Wandel foca-se na experiência da infância como um mundo à parte, limitado pelos muros da escola. De facto, nunca saímos desse espaço, nem mesmo para conhecer o ambiente familiar dos protagonistas. A utilização de uma câmara móvel, colocada quase sempre ao nível do olhar de uma criança, Nora (Maya Vanderbeq), aproxima-nos daquilo que é a sua percepção da realidade. Uma realidade violenta e cruel, aparentemente invisível aos olhos dos adultos.

Logo na cena de abertura, que retrata o primeiro dia de aulas de Nora e o seu irmão mais velho, Abel (Günter Duret), aquilo que vemos e ouvimos é filtrado pelas emoções de Nora. De repente, a energia e confusão normal que caracteriza os corredores de uma escola qualquer surge-nos quase como uma ameaça. À medida que Nora se aproxima da porta da escola, o som das crianças que gesticulam animadas e falam alto transforma-se num ruído indistinto e hostil, como se de um enxame de abelhas se tratasse. E todos sabemos que não é boa ideia perturbar um enxame…

A timidez e ansiedade da pequena Nora levam-na a procurar a companhia do irmão, alguns anos mais velho. Mas nesta sociedade altamente hierarquizada do recreio não são bem-vistas as quebras do protocolo. Os “amigos” do irmão rapidamente se voltam contra ele e toda uma dinâmica de violência vem à tona, replicando-se e multiplicando-se numa corrente enferma que não tem princípio nem fim.

Este fenómeno, a que se chamou “bullying”, é um monstro com muitas cabeças. Em 72 minutos, Wandel retratou algumas das suas faces mais negras. Mas a grande força de «Recreio» é mesmo a interpretação brilhante de todas as crianças que vão mudando de papel, experimentando o lugar de expectador, agressor, vítima, vítima-agressor. Contudo, a certa altura, pela repetição – que caracteriza a dinâmica das agressões – o filme torna-se algo redundante. É verdade que nos sentimos cada vez mais encurralados, tal como as personagens, mas o resultado acaba por nos afastar, levando-nos a questionar sobre o que estará para além daquilo que nos é dado a ver.

Título original: Un Monde Realização: Laura Wandel Elenco: Maya Vanderbeque, Günter Duret, Lena Girard Voss Duração: 72 min. Bélgica, 2021