PATERSON

PATERSON

Paterson por Paterson. Paterson em Paterson. Eis o mote que Jim Jarmusch desenvolve na sua glosa cinematográfica, criada sem pretensões ou tampouco levianamente. Obra simples e encantadora.

Paterson (Adam Driver) é de Paterson e vive em Paterson, New Jersey. Quando lhe apontam esta curiosidade, sorri e continua com a sua vida. É condutor de um autocarro público e nos intervalos poeta de caderno secreto. Depois do trabalho volta para casa, onde o aguardam Laura (Golshifteh Farahani), a sua talentosa e criativa mulher, e Marvin (Nellie), o bulldog inglês. Homem pacato que vive os seus dias apaixonado por Laura e pela poesia, qual Petrarca anónimo. É este anonimato poético que o realizador americano regista, mostrando-nos que, por vezes, podemos encontrar poesia e poetas espalhados pelas ruas, no autocarro, na lavandaria ou numa pequena caixa de fósforos de cabeça azul. E para além disso, faz-nos acreditar novamente que não é necessário um melodrama hollywoodesco para filmar um casamento feliz e indivíduos satisfeitos com o seu quotidiano. Tudo isto porque, mais uma vez, a pena de Jim Jarmusch assina o argumento, o qual sem mergulhar em grandes ambições intelectuais, é convicto e nos maravilha, estando cheio de pequenos encantamentos que nos apanham, tais como a presença bochechuda e sentenciosa de Marvin.

Para além do argumento, a beleza do filme também se revela na fotografia de Frederick Elmes («Broken Flowers», 2005; «Coffe and Cigarettes», 2003), íntima, com grandes planos das personagens, e poética, na medida em que ilustra os poemas que surgem no filme, ou vice-versa. Especial atenção para o jogo de reflexos do vidro do autocarro, que mostra outra perspetiva da cidade de Paterson e do trabalho de condutor. No entanto, a grande revelação de «Paterson » é a interpretação de Adam Driver. O ator inspira. Os gestos, o andar, o olhar são-lhe naturais, transmitindo uma gentileza e candura que nos seduz e nos fazem esquecer qualquer ligação com o infame Kylo Ren («Star Wars: O Despertar da Força», 2015).

Em «Paterson » testemunhamos uma semana na vida de um condutor-poeta sem nos sentirmos entediados ou enganados visto que nos enamoramos pelas personagens, pelo seu comum dia-a-dia, mas principalmente pela sua visão da vida, seja através de versos, seja pela maneira como convivem uns com os outros. Jim Jarmusch filma um poema singelo, sem ornatos nem enfeites, que enfatiza os detalhes da vida, talvez à semelhança do poeta predileto de Paterson, William Carlos Williams. Rita Fonseca

Título original Paterson Realização Jim Jarmusch Elenco Adam Driver, Golshifteh Farahani, Nellie. 118 min. EUA 2016

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos recentes