OS CROODS: UMA NOVA ERA

OS CROODS: UMA NOVA ERA

Desde 1998, quando «Formiga Z» estreou, desafiando a hegemonia da Disney, fazendo da DreamWorks Animation uma grife, uma guerra se estabeleceu na indústria da computação gráfica, tendo como metas a excelência plena na confecção dos family films e a fidelização de plateias de diferentes idades – mas com protagonismo infantil. Nos anos que se seguiram, os estúdios Walt Disney refinaram a sua parceria com a Pixar, desenvolvendo uma dramaturgia cada vez mais próxima de sessões de análise freudiana, como se vê «Soul». Já a DreamWorks fez de «Shrek» o ariete do seu avanço mercado adentro, apostando em outras franquias aqui e ali, sem nunca perder o foco na abrasividade e no tom de aventura. O seu produto mais próximo do que a concorrência (a empresa de Mickey Mouse) é a saga da família Crood, que aposta de maneira mais conservadora na ideia clássica de formação familiar e se preocupa mais em atualizar um conceito que os desenhos animados conheceram em “Os Flintstones”: a analogia entre a vida na Idade da Pedra e a vida de hoje. Lançado em 2013, o primeiro filme dos Croods apostava na inquietação de uma menina pré-histórica diante da inércia super protetora de seu pai, cuja voz, nos EUA, é de Nicolas Cage. Foi um projeto de US$135 milhões que faturou US$ 587 mihões.

Espelhando uma máxima muito comum, “em equipa que vence não se mexe”, o segundo filme, «Os Croods: Uma Nova Era», não mudou muito das premissas originais. Faturou menos – US$ 171 milhões, até agora – mais por culpa dos efeitos da covid-19 sobre o circuito do que por problemas de narrativa. Até porque, não há o que se queixar da sua eficiência. E há que se exaltar a direção de arte inspiradíssima de Nate Wragg e o seu uso preciso de cores sempre saturadas.

Oriundo da equipa de Kung Fu Panda, o diretor Joel Crawford imprime uma ligeireza contagiante no seu estudo sobre opostos que se atraem ao ponto de expressarem as suas semelhanças. Na trama, a jovem Eep encontra um clã, os Bettermans, que parece mais evoluído que a sua família. A convivência com eles gera amizades, perigos e um processo de reeducação sentimental que ensina os personagens a respeitarem mais (e melhor) tudo o que há de diferente. E o público aprende com eles, divertindo-se com correrias coloridas e com os faniquitos de Eep, no seu adolescente turbilhão hormonal.

Título original: The Croods: A New Age Realização: Joel Crawford Elenco: Nicolas Cage, Ryan Reynolds, Emma Stone, Catherine Keener, Peter Dinklage, Leslie Mann, Kelly Marie Tran, Leslie Mann. Duração: 95 min. EUA, 2020