LINDO MENINO

LINDO MENINO

O que mais assusta neste filme de terror é provavelmente a qualidade das interpretações dos actores que compõem o casal de protagonistas: Christian (Gard Løkke) e Sigrid (Katrine Lovise Øpstad Fredriksen). O tipo que faz de cão (Nicolai Narvesen Lied), e que se esconde por baixo de um fato peludo quase do princípio ao fim, é, ainda assim, o mais expressivo. É uma pena que assim seja, porque a premissa para «Lindo Menino» parecia interessante. É bastante assustador pensar naquilo que somos capazes de aceitar e de nos sujeitar por carência ou ganância, por nos sentirmos sozinhos, não amados.

A história é simples, está na sinopse e no trailer: Christian é um herdeiro rico e bem parecido que conhece Sigrid, uma jovem estudante, numa app de encontros. Eles fazem match e tudo parece correr bem até que o cão (que é na verdade um homem vestido de cão) entra em cena. Para Christian não há nada de bizarro ou errado no facto de ter um homem mascarado como animal de estimação. E Sigrid, que a princípio se mostrou horrorizada, acaba também por aceitar este estado de coisas. Influenciada por uma amiga, que lhe dá a notícia de que Christian é multimilionário, Sigrid sente-se motivada para encontrar uma explicação que, de alguma forma, ajude a normalizar a situação. Começa então por pesquisar online as taras e manias que se parecem multiplicar por aí. Depois, fica até sensibilizada com a explicação dada por Christian, de que o homem dentro do fato de cão é na verdade um amigo de infância que no fundo ele acolheu e aceitou tal como ele é, sem o julgar ou questionar. Enamorada pela miragem do parceiro perfeito, Sigrid ignora todas as red flags e cai de cabeça nesta relação. O que se segue não é, obviamente, bonito.

Sobretudo na última parte, o filme precisava de uma outra maturidade ao nível das interpretações. Com uma duração relativamente curta, e com um arco narrativo bastante previsível, «Lindo Menino» só poderia resultar, de facto, se os actores fossem mais convincentes, capazes de imprimir profundidade aos seus personagens. A estranheza das situações fica-se, justamente, por aí: pela estranheza. Não se chega realmente a tocar no que há de humano aqui. De um modo superficial, sim, o filme consegue ser polémico e perturbador. Mas essa é só a máscara. O que está por baixo não nos foi dado a ver.

Título Original: Good Boy Realização: Viljar Bøe Elenco: Gard LøkkeKatrine, Lovise Øpstad Fredriksen, Nicolai Narvesen Lied Duração: 106 min. Noruega, 2022