A VOZ HUMANA

A VOZ HUMANA

Depois de «A Lei do Desejo» (1987) e «Mulheres à Beira de um Ataque de Nervos» (1988), Pedro Almodóvar regressa pela terceira vez ao texto de Jean Cocteau, A Voz Humana (1930), desta feita com uma adaptação mais convencional mas, ainda assim, com algumas reviravoltas almodóvarianas pelo meio.

Em vez do habitual jogo de ensemble, em «A Voz Humana» Almodóvar coloca em cena “apenas” Tilda Swinton, é ela que dará corpo às angústias de uma mulher que aguarda o telefonema do amante que a abandonou. O resultado é um festim de 30 minutos em que a actriz nos agarra do princípio ao fim e quase nos faz esquecer das muitas incarnações passadas desta personagem.

Contudo, do confronto nasce algo interessante. Como acontece com o fado, sobre a mesma base harmónica, cada intérprete afirma a sua singularidade. Quando pensamos, por exemplo, na interpretação de Anna Magnani – mas podemos falar também de Ingrid Bergman ou, muito mais recente, de Rosamund Pike – em todas estas performances à uma sinceridade… simples. Isto é, uma entrega completa ao desespero, algo que, no caso de Tilda Swinton, se complexifica. A sua interpretação acompanha o artifício do cinema deixado à mostra em muitos planos do estúdio, do cenário pré-fabricado, etc. O artifício do discurso amoroso acompanha o artifício do cinema.

É muito interessante para o espectador observar como no decorrer do longo telefonema a actriz (que faz de actriz) atravessa várias fases do luto amoroso e como parece crescer nela uma consciência de que, apesar da “dor que deveras sente”, também ela finge, também ela repete um cliché. Afinal, não são só as cartas de amor que são ridículas, os telefonemas também o são, e ainda bem.

Título original: The Human Voice Realização: Pedro Almodóvar Elenco: Tilda Swinton, Agustín Almodóvar, Miguel Almodóvar. Duração: 30 min. Espanha, 2020

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Artigos