logo

Entrar
Actualizado às 5:02 PM, Aug 25, 2019

Terra Terra

Várias tradições da Ilha de Sal são servidas sob um sol inclemente e desconcertante neste documentário denso e colorido de 38min. Paola Zerman, realizadora italiana, é uma professora de arte radicada em Cabo Verde há mais de uma década, que convence aqui pelo conteúdo e pelo modo de mostrar. Rodou este documentário localmente, quase sem meios técnicos e “orçamento zero”, com a coordenação jornalística de Albertina Rodrigues e a colaboração de amigos e conhecidos, para além da sua própria determinação. Não é a primeira vez que a receita funciona, nem é a primeira vez que o método me impressiona. Mas passemos aos factos: para quem não conhece Cabo Verde, vale a pena tentar perceber que tipo de emoções movem esta…
Tagged em

D. W. Griffith - O Nascimento de uma Nação

A estreia do clássico de David W. Griffith, “O Nascimento de uma Nação”, ocorreu há um século — importa revisitá-lo para além de qualquer visão pitoresca, reconhecendo a sua importância fulcral na afirmação do cinema como uma linguagem específica. Foi no dia 8 de Fevereiro de 1915 que «O Nascimento de uma Nação» (título original: «The Birth of a Nation»), de David W. Griffith, teve a sua estreia no Clune’s Auditorium, em Los Angeles. Dada a sua importância na filmografia de Griffith, o “pai” da gramática clássica do cinema, faz sentido que celebremos, aqui e agora, o seu centenário.Em todo o caso, importa não cedermos aos mecanismos de banalização que, por influência do imaginário televisivo, tendem a recobrir muitas efemérides…

Julianne Moore - perfil

Nomeada pela quinta vez para os Oscars com «O Meu Nome É Alice», Julianne Moore é um caso exemplar de uma actriz que tem sabido prosseguir sem ficar presa a nenhum registo dramático ou a um qualquer modelo de produção. É bem verdade que a história dos Oscars está cheia de empolamentos mais ou menos grosseiros e também de esquecimentos quase sempre chocantes. Em todo o caso, evitemos o moralismo fácil. Por vezes, é mesmo verdade que a simples capacidade de chegar às nomeações corresponde a um indicativo que não tem nada de acidental. E que dizer de quem chega a essas nomeações através de filmes como «Boogie Nights/Jogos de Prazer» (1997), de Paul Thomas Anderson, «O Fim da Aventura»…

A Força está nas bilheteiras

Numa altura onde a televisão, os jogos e as novas plataformas de conteúdos competem com as bilheteiras «Star Wars: O Despertar da Força» prova o contrário e redefine as fronteiras do box-office. A dominação à escala global não tem precedentes, a nível mundial o filme da Disney arrecadou 517 milhões de dólares destruindo recordes prévios mesmo ajustados à inflação. “O Despertar da Força” teve a maior abertura de sempre na América do Norte, em três dias acumulou 238 milhões de dólares, «Avatar» o filme com as receitas mais elevadas na história do cinema (3.1 mil milhões de dólares) facturou 85 milhões de dólares em três dias de abertura. O anterior recordista de uma abertura em Dezembro, «O Hobbit: Uma Viagem…

Ron Howard: fazedor de filmes

Ron Howard é conhecido do grande público graças aos filmes «Splash – A Sereia» (1984), «Apollo 13» (1995), «Edtv» (1999) «Uma Mente Brilhante» (2001) e, claro, pela adaptação do best-seller literário «O Código Da Vinci». Mas o percurso de Ron Howard começa na área da representação – nascido em 1954, ele entrou no seu primeiro filme com apenas 18 meses de idade, e aos dois anos estreou-se numa peça teatral. O seu percurso como ator levou-o a integrar o elenco de «American Graffiti» (1973), o filme seminal de George Lucas. O seu interessa pelo cinema e pela produção alargou-se a partir da década de sessenta quando experimentou realizar os primeiros filmes amadores com uma câmara Super 8. Na sua primeira…
Tagged em

DISNEY UMA HISTÓRIA COM CANÇÕES - PARTE 10 - 1994. Hakuna Matata

O Rei Leão Após «Aladdin», que representou a última parceria Menken / Ashman (ditada pela morte do segundo em 1991), a Disney chamou Elton John para criar a música de «O Rei Leão» em conjunto com Tim Rice, que assinou as letras. A banda sonora teve em conta a cenografia africana que acolhia a história e chamou mesmo a colaboração de vários músicos. O Óscar de Melhor Canção coube a “Can You Feel The Love Tonight”, mas o mais inesquecível momento musical ficou por conta de “Hakuna Matata”, que conheceu uma edição em disco nas vozes de Jimmy Cliff e Lebo B.
Tagged em

DISNEY UMA HISTÓRIA COM CANÇÕES - PARTE 9 - 1991. Beauty and The Beast

A Bela e o Monstro Seguindo a nova ordem imposta pelo impacte de «A Pequena Sereia», a produção de «A Bela e o Monstro» fez questão de reforçar a faceta musical desta nova etapa das animações da Disney. A equipa de «A Pequena Sereia« foi retomada, surgindo uma segunda banda sonora que valeu o aprofundar da ideia de que a Broadway tinha encontrado ali uma nova descendência. A canção-tema, premiada com o Oscar, foi interpretada no filme por Angela Lansbury (a voz de Mrs. Potts) e teve depois um single de impacte global com Celine Dion e Peabo Bryson.

DISNEY UMA HISTÓRIA COM CANÇÕES - PARTE 8 -1989. Under The Sea

A Pequena Sereia O filme que inaugurou uma nova etapa na vida dos clássicos da Disney teve na música um dos mais evidentes investimentos. Alan Menken compôs a música e, para as canções, trabalhou com o letrista Howard Ashman. “Under The Sea” foi um dos vários momentos musicais de sucesso nascidos do filme, valendo à Disney o primeiro de uma série de Óscares para a Melhor Canção que os estúdios venceriam ao longo dos anos seguintes. Um calypso luminoso e upbeat, este tema foi originalmente gravado por Samuel E Wright e teve várias versões, uma pelos Squirrel Nut Zippers, a antiga banda de Andrew Bird.
Tagged em
Assinar este feed RSS