logo

Entrar
Actualizado às 10:34 PM, Sep 15, 2019

Carros 3 - imagens conceptuais

Owen Wilson está de regresso como a voz do condutor número 95, Faísca McQueen que enfrenta um novo desafio em “Carros 3”. Realizado por Brian Fee (o artista gráfico de “Carros” e “Carros 2“) e produzido por Kevin Reher (“Uma Vida de Insecto” e a curta metragem “La Luna”), “Carros 3” chega aos cinemas portugueses no verão de 2017. "Depois de ter trabalhado no primeiro e segundo filme de "Carros", estou muito honrado por realizar o "Carros 3", afirma Brian. "Estas personagens são como família para mim e por isso é muito especial seguir o Faísca McQueen, enquanto aprofundamos ainda mais a sua relação com as corridas e este desporto. A mistura de emoções no filme será muito especial".

SOBRE O FILME
Surpreendido por uma nova geração de pilotos extremamente rápidos, o lendário Faísca McQueen (voz de Owen Wilson) é subitamente afastado do desporto que ama. Para voltar ao jogo, vai precisar da ajuda de uma jovem treinadora de corridas, Cruz Ramirez, que tem o seu próprio plano para vencer, e da inspiração do Fabuloso Hudson Hornet com algumas voltas inesperadas. Para provar que o 95º lugar não o completa, vai testar o seu coração de campeão na maior corrida da Taça Pistão!

Carros 3

À PROCURA DE DORY - Clip

Foram precisos 13 anos, mas eis finalmente a sequela de «À Procura de Nemo» (2003), vencedor do Óscar de Melhor Filme de Animação e que foi realizado por Lee Unkrich e Andrew Stanton, que está de regresso. Desta vez, a protagonista é Dory e as expectativas são altas. Afinal, trata-se da sequela de um dos melhores filmes da Pixar. Além disso, as últimas sequelas do estúdio têm deixado algo a desejar, pelo que espera-se também alguma redenção da Pixar neste aspeto. Porém, apesar de se terem passado 13 anos entre os dois filmes, na história, o espaçamento será de apenas seis meses.

Ter a realização de Andrew Stanton é um dos principais motivos para que este filme valha a pena. Além de «À Procura de Nemo», Stanton tem também no seu currículo a participação, seja como argumentista ou realizador, em filmes de animação que deram que falar, tais como «Toy Story: Os Rivais» (1995) e «Wall-E» (2008). E não poderemos deixar de ter em conta o fantástico elenco que dará voz às personagens, tal como Ellen DeGeneres, Diane Keaton, Ty Burrell ou Idris Elba. Preparado para mais uma viagem emocional no fundo do mar?

História: A muito esquecida Dory (voz de Ellen DeGeneres) procura a sua família perdida, ficando a saber que nasceu no Instituto de Biologia Marinha da Califórnia, um local de reabilitação marinha, e que foi libertada no oceano ainda muito nova. Enquanto é ajudada por vários amigos e vê também o seu caminho atrapalhado por uns quantos intrusos, ainda haverá tempo para que todos aprendam o verdadeiro significado da família.

Realizadores: Andrew Stanton («WALL-E», 2008) e Angus MacLane («Toy Story of Terror», 2013)

Elenco (vozes): Ellen DeGeneres, Diane Keaton, Idris Elba, Ty Burrell, Dominic West
Data de estreia prevista: 23 de junho

  • Publicado em Feature

A Bela e o Monstro - Teaser

A adaptação do clássico conto de fadas sobre o romance de um príncipe grotesco e uma jovem mulher.

Título Nacional A Bela e o Monstro Título Original Beauty and the Beast Realizador Bill Condon Actores Emma Watson, Luke Evans, Ewan McGregor Origem Estados Unidos Duração n.d Ano 2017

 

  • Publicado em Videos

Up - Altamente

Um filme que faz justiça ao seu nome, narrativa simplex aliada à complexidade emocional, divertido e comovente, 90 minutos onde os sonhos comandam a vida.   

Carl, um septuagenário que perdeu o grande amor da sua vida, vive só e decide realizar uma promessa feita à falecida Ellie, uma viagem aos recônditos da América do Sul, equipado com o poder dos sonhos coloca a sua casa no ar com a ajuda de milhares de balões, uma imagem para o álbum das memórias cinematográficas. Nesta fuga aos constrangimentos da vida, ele não contava com o escuteiro Russell, um pirralho de 8 anos que vai à boleia da casa voadora, Carl descobre que para além do escape existencial os laços entre as pessoas podem tornar o seu mundo num lugar melhor, há vida quando tudo parece perdido. Uma deliciosa relação entre dois exploradores, a criança energética que “engoliu” um rádio e o velhote sisudo, um quer companhia e outro sossego, com as suas lacunas afectivas criam uma cumplicidade de um avô e um neto, chegados ao destino tropeçam numa criatura simpática, Kevin, o ente mais próximo de um gambuzino, e Dug, um rafeiro que fala com as pessoas, um cão valente e fiel aos seus novos companheiros. O vilão da história é Charles Muntz, obcecado em capturar Kevin, contraste entre a megalomania cega de Muntz versus a pureza de Carl.

O filme está recheado de perseguições alucinantes, os cenários cheios de nuances, emoções para todas as idades com momentos dignos de uma grande aventura, o clímax decorre a bordo de um zepplin, também um lar voador mas sem a inocência e o encanto da casa de Carl e Ellie.

A nível de animação, os personagens humanos têm formas propositadamente caricaturadas, a imagem 3D amplia a dimensão do registo nas cenas aéreas, é um processo que necessita de ser calibrado pela Pixar. Up foi um risco que teve os seus frutos, engrandece o crepúsculo da vida, a narrativa é uma viagem tanto geográfica quanto sentimental com o realce para o trajecto emocional. O melhor momento da obra não é feito graças a um virtuosismo técnico, é prova da essência dos grandes contadores de histórias na evolução de uma vida no amor entre Carl e Ellie, imagens sem diálogos acompanhas pela composição sonora, um zig-zag emocional de partir os corações. «Up - Altamente», é um filme sempre a subir, a décima maravilha da Pixar, uma obra que transcende as fronteiras da imaginação onde estão bem presentes os valores mais altos dos clássicos Disney.

[dia 29, às 11h00, no Disney Channel]

cinco estrelas

Título Nacional Up - Altamente Título Original Up Realizador Pete Docter, Bob Peterson Vozes Edward Asner, Jordan Nagai, John Ratzenberger Origem Estados Unidos Duração 96’ Ano 2009

(Texto publicado originalmente em Dezembro de 2009)

 

Emily Blunt em «Mary Poppins»

Chegou ao fim o mistério e a confirmação dos rumores que davam Emily Blunt como a substituta de Julie Andrews como protagonista da sequela do clássico «Mary Poppins» de Robert Stevenson de 1964, o filme será dirigido por Rob Marshall («Chicago»).

Emily Blunt no papel de Mary Poppins junta-se em cena a uma super-estrela da Broadway o multifacetado Lin-Manuel Miranda que tem como cartão de visita as participações nos sucessos de palco nos musicais «In the Heights» e «Hamilton».

A sequela de «Mary Poppins» é um dos muitos projectos em imagem real que a Disney anunciou recentemente que seriam estreados até 2019 entre eles «Cruella» o spin-off de «Os 101 Dálmatas» com Emma Stone no papel de Cruella de Vil a partir de um argumento de Kelly Marcel (argumentista de «Ao Encontro de Mr. Banks»), as sequelas de «O Livro da Selva» e «Maléfica», a adaptação em imagem real de «Dumbo» de Tim Burton e «Sininho» com Reese Whitherspoon.

Simpsons prestam tributo à Disney

Este domingo passado, durante a emissão nos Estados Unidos de «Os Simpsons», no décimo nono episódio da vigésima sétima temporada, um capítulo intitulado “Fland Canyon”, a série prestou tributo à Disney.

Como é da praxe a sequência do sofá, conhecida como "couch gag" durante os créditos de abertura do episódio, tem sempre uma surpresa na manga, esta semana foi a vez de homenagear a Disney. O timing foi perfeito numa altura onde o filão dos clássicos de animação da Disney que saltam para imagem real são cada vez mais uma certeza, agora, confirmada pelo extraordinário «O Livro da Selva». Pela primeira vez em quase 600 episódios (estamos no 593), Bart, Homer, Marge, Lisa e Maggie transformam-se em personagens da Disney.

A maravilhosa sequência foi realizada pelo animador da Disney e co-realizador de «Pocahontas» (1995), Eric Goldberg. A sequência que dura 76 segundos é uma viagem que percorre alguns momentos charneira da animação Disney, começa no preto-e-branco passa pela «Cinderela», «Branca de Neve e os Sete Anões», «O Livro da Selva» com Homer a interpretar Balu e termina com «Fantasia» na sequência do "Aprendiz de Feiticeiro" com Mickey a fazer estragos, uma cena que só podia ser interpretada por Bart.

Vejam o vídeo...

  • Publicado em TV

O Livro da Selva - Uma grande estreia

Sem grandes surpresas o incrível «O Livro da Selva» conquistou as bilheteiras a nível global com uma facturação acumulada próxima dos 300 milhões de dólares.

Nos Estados Unidos a adaptação da Disney do clássico de animação para imagem real abriu com 103 milhões de dólares no box-office, fora da América do Norte o filme atingiu os 187.4 milhões de dólares onde se inclui os 50.3 milhões de dólares na China.

Em termos históricos «O Livro da Selva» teve a melhor abertura de sempre para um filme PG [Parental Guidance] e a segunda melhor abertura de sempre para um filme independentemente da sua classificação ficando apenas atrás de «Velocidade Furiosa 7» que abriu no ano passado com 146,2 milhões de dólares.

Nas percentagens dos espectadores pagantes, o filme aliciou não só as famílias (49%) como também os adultos (43%) e os adolescentes (8%) e 49% dos espectadores eram do sexo masculino. Dave Hollis, o responsável pela distribuição da Disney afirmou "Estas estatísticas são das mais equilibradas que já vi até hoje num filme de imagem real da Disney", acrescentandi uma explicação para o sucedido "A utilização da tecnologia está a criar uma experiência cinematográfica. Tal como «Avatar» ou «A Vida de Pi» é preciso ver para acreditar. Estamos a ter famílias e também adultos a comprarem bilhetes".

«O Livro da Selva» abriu em 4208 salas na América do Norte e teve uma produção que rondou os 175 milhões de dólares.

A evolução de Zootrópolis – documentário online «Imagining Zootopia»

No dia em que «Zootrópolis» continua a bater recordes nas bilheteiras, o filme de animação mais visto em Portugal em 2016 com mais de 300 mil espectadores e prestes a ultrapassar a barreira dos 800 milhões de dólares a nível mundial, chega à net «Imagining Zootopia», um excelente documentário sobre a concretização do projecto dos estúdios Disney. Atendendo que por vezes os espectadores têm de esperar meses por uma grande edição de um filme de animação em DVD ou Blu-ray com extras dignos desse nome, o documentário «Imagining Zootopia» é um objecto raro na introspecção e abordagem criativa de uma jóia da animação. A produção pertence à Fusion, uma multiplataforma media.

  • Publicado em Videos
Assinar este feed RSS