logo

Entrar
Actualizado às 9:31 PM, Aug 22, 2019

Cannes 2016 - filmes em competição «The Handmaiden»

Por certo o mais internacional dos cineastas coreanos, Park Chan-Wook regressa a um festival que já o distinguiu duas vezes: Grande Prémio para «Oldboy-Velho Amigo» (2004); Prémio do Júri para «Thirst-Este É o Meu Sangue» (2009). «Agassi» (título internacional: The Handmaiden) anuncia-se como uma história policial e romântica, adaptando a um contexto coreano o romance "The Fingersmith", da britânica Sarah Waters [trailer em versão original].

 

The Handmaiden Cannes

Título Original Agassi Realizador Park Chan-Wook Actores Jung-woo Ha, Min-hee Kim, Jin-woong Jo Origem Coreia do Sul Duração 141’ Ano 2016

 

Ensurdecedor

Norueguês nascido na Dinamarca em 1974, Joachim Trier carimbou seu passaporte para a ala dos diretores mais promissores da Europa de hoje com «Oslo, 31 de Agosto» (2011). Partiu dali para voos mais ousados, compondo um elenco multinacional com talentos reconhecíveis pelo público. A presença de Jesse Eisenberg («A Rede Social») bastou para que ele descolasse os US$ 11 milhões necessários para narrar a história de superação de luto de uma família assolada pela perda da mãe: um personagem ausente, mas metafisicamente onipresente graças ao talento de Isabelle Huppert. Ela é uma fotógrafa de guerra que morre em campo, deixando para trás um marido professor (Gabriel Byrne) e dois filhos: Eisenberg, sempre preciso é o mais velho, e o mais novo foi confiado a um talento chamado Devin Druid. Trier se alinhou com uma das tendências narrativas do festival deste ano que foi a opção por se trançar diferentes tempos (passado e presente) a cada trama e jogou essa partida com fôlego de craque, construindo um roteiro desapaixonado sobre pessoas que inventariam suas cicatrizes e aprendem a conviver com o sangue pisado. Uma sequência garante humor ao filme: o resgate de uma cena da comédia «A Esposa Surpresa» (1987), com o jovem Gabriel Byrne contracenando com Shelley Long.

Rodrigo Fonseca em Cannes, 2015

Título Nacional Ensurdecedor Título Original Louder Than Bombs Realizador Joachim Trier Actores Jesse Eisenberg, Gabriel Byrne, Isabelle Huppert Origem Dinamarca/França/Noruega Duração 109’ Ano 2015

CANNES 2016 — filmes em competição - «Elle»

O realizador holandês Paul Verhoeven dirige Isabelle Huppert num thriller centrado numa mulher, dirigente de uma companhia de jogos de video, assaltada e violada em sua casa. É a segunda vez que Verhoeven está na secção competitiva do festival — a primeira ocorreu em 1992, com «Instinto Fatal».

Título Original Elle Realizador Paul Verhoeven Actores Isabelle Huppert, Virginie Efira, Alice Isaaz Origem França/Alemanha/Bélgica Duração n.d Ano 2016

Elle poster

 

CANNES 2016 — filmes em competição - «Ma Loute»

Dir-se-ia que Bruno Dumont quer prolongar o espírito da comédia que experimentou na série televisiva O Pequeno Quinquin (2014) — o seu novo filme encena a convivência burlesca de personagens que se cruzam nas praias do norte de França, em 1910, assombradas por alguns misteriosos desaparecimentos. Dumont revelou-se em Cannes, em 1997, arrebatando a Câmara de Ouro (melhor primeiro filme) com La Vie de Jésus; depois, ganhou dois Grandes Prémios, com L'Humanité (1999) e Flandres (2006).

Título Original Ma Loute Realizador Bruno Dumont Actores Fabrice Luchini, Juliette Binoche, Valeria Bruni Tedeschi Origem França/Alemanha Duração n.d Ano 2016

ma loute

 

CANNES 2016 — filmes em competição - Julieta

Pedro Almodóvar regressa ao festival com a história de uma mulher que vive um ziguezague emocional entre o presente e aquilo que viveu há cerca de 30 anos — baseado em contos da canadiana Alice Munro (Nobel 2013). Presença frequente na selecção oficial, já ganhou um prémio de realização («Tudo Sobre a Minha Mãe», 1999) e outro de argumento («Voltar», 2006).

Título Nacional Julieta Título Original Julieta Realizador Pedro Almodóvar Actores Adriana Ugarte, Inma Cuesta, Rossy de Palma Origem Espanha Duração 99’ Ano 2016

(Texto publicado originalmente no blog sound + vision)

CANNES JULIETA

PRODUÇÃO DE PAULO BRANCO SELECCIONADA PARA O FESTIVAL DE CANNES

O filme LA FORÊT DE QUINCONCES, produzido por PAULO BRANCO e realizado por GRÉGOIRE LEPRINCE-RINGUET, integra a Selecção Oficial do FESTIVAL DE CANNES, e será exibido na secção SESSÕES ESPECIAIS.

LA FORÊT DE QUINCONCES é a única primeira obra francesa a integrar a Selecção Oficial de CANNES, à excepção da secção Un Certain Regard.

la foret de quinconces 03

Esta é a 54ª vez que PAULO BRANCO apresenta uma produção sua naquele que é um dos festivais de cinema mais importantes do mundo. A última obra produzida por PAULO BRANCO e seleccionada para CANNES foi O QUARTO AZUL, de Mathieu Amalric, em 2014.

Produzido pela ALFAMA FILMS, LA FORÊT DE QUINCONCES chegará às salas de cinema francesas a 22 de Junho. Em Portugal, o filme tem distribuição assegurada pela LEOPARDO FILMES.

O filme de GRÉGOIRE LEPRINCE-RINGUET é protagonizado pelo próprio realizador e pelas actrizes PAULINE CAUPENNE e AMANDINE TRUFFY. No filme, GRÉGOIRE LEPRINCE-RINGUET interpreta Paul, um homem que jura não voltar a amar quando é deixado pela sua namorada. Para provar isto a si próprio, Paul persegue a bela Camille, com a intenção de seduzi-la e abandoná-la. No entanto, Camille quer Paul só para ela e enfeitiça-o.

Fonte: Leopardo Filmes

Macbeth

Não é uma novidade para o cinema o fato de que “a vida é cheia de som e de fúria”, pois Orson Welles, Roman Polanski e Akira Kurosawa já haviam nos ensinado em isso em suas releituras autorais para uma das peças mais importantes do repertório de Shakespeare. A ousadia do australiano Justin Kurzel («Snowtown») foi recontar a história do guerreiro que passa de soldado a rei pelos trilhos da traição com a linguagem estroboscópica com a qual a multidão de espectadores de «A Guerra dos Tronos» possa se identificar. A presença de Michael Fassbender («Shame»), com seus mil e um talentos dramáticos a toda, já seria um aríete suficiente para abrir caminho para uma carreira de blockbuster para esta adaptação. Mas a ousadia foi tirar o foco de Lady Macbeth, vivida aqui pela sempre impávida Marion Cotillard, e deixar o macho alfa da dramaturgia do bardo brilha com mais intensidade. Para isso, diretor e ator optaram por uma releitura que entendem Macbeth como um combatente traumatizado, inspirado por militares americanos que voltaram do Afeganistão, Iraque e afins. É um filme pop, mas denso, com tomadas de batalha dignas de uma boa banda desenhada de Conan, o Bárbaro.

Rodrigo Fonseca em Cannes, 2015

Título Nacional Macbeth Título Original Macbeth Realizador Justin Kurzel Actores Michael Fassbender, Marion Cotillard, Jack Madigan Origem Estados Unidos/Reino Unido/França Duração 113’ Ano 2015

(Texto publicado originalmente na Metropolis nº29)

 

 

Os filmes de Cannes 2016 - Alinhamento Oficial

Foram hoje anunciados os filmes que estarão presentes na 69ª edição do Festival de Cannes, incluem-se vários repetentes e veteranos da competição oficial, o presidente do Festival Pierre Lescure e o director Thierry Fremaux apresentaram um alinhamento que ainda não é definitivo. Thierry Fremaux acrescentou que ainda há filmes que podem ser incluindos num Festival que tem até ao momento um alinhamento de sonho, foram apresentados 49 filmes de 28 países a partir de 1869 filmes submetidos ao Festival.

A secção principal do Festival inclui o último filme de Sean Penn «The Last Face», o coreano Park Chan Wook («Oldboy – Velho Amigo») com «The Handmaiden», a última obra do veterano realizador britânico Ken Loach «I, Daniel Blake» e o romance interracial «Loving» de Jeff Nichols («Procurem Abrigo»). O ultra violento autor Nicholas Winding Refn regressa com «The Neon Demon», uma produção da Amazon. O holandês Paul Verhoeven («Desafio Total») que terá este ano uma retrospectiva no IndieLisboa está em Cannes com «Elle» e do país vizinho chega «Toni Erdmann» de Marie Ade, o primeiro filme alemão em vários anos na competição.

Os romenos surgem em dose dupla na secção competitiva com Cristian Mungiu (Palma de Ouro de 2007 «4 Meses, 3 Semanas e 2 Dias») com «Baccalaureat» (filme produzido pelos irmãos Dardenne) e Cristi Puiu («A Morte do Sr. Lazarescu») com «Sieranevada». O filipino Brillante Mendoza («Lola») aterra com «Ma Rosa» e o Brasil estará presente com Kleber Mendonça Filho com «Aquarius», um realizador já entrevistado no passado pela Metropolis a propósito de «O Som ao Redor» (2012).

Xavier Dolan («Mamã»), o jovem maravilha que vem do Canadá, estará presente com «Juste la fin du monde» que conta no elenco com três estrelas do cinema francês, Léa Seydoux, Marion Cotillard e Vincent Cassel. Pedro Almodóvar também regressa a Cannes após « A Pele Onde Eu Vivo» de 2011 para apresentar «Julieta». Jim Jarmusch está em duplamente representando no Festival, na competição com « Paterson», filme protagonizando por Adam Driver, fora de competição estará com «Gimme Danger» um documentário sobre Iggy Pop e os The Stooges, o filme passa na secção Midnight Screening.

Outros regulares de Cannes são os irmãos belgas, os Dardenne, duas vezes vencedores da Palma de Ouro com «Rosetta» e «A Criança», este ano Luc e Jean-Pierre Dardenne irão apresentar «La fille inconnue». Os francês surgem na competição com «Personal Shopper» de Olivier Assayas com Kristen Stewart no prinicpal papel, «Ma Loute» de Bruno Dumont, «Rester Vertical» de Alain Guiraudie e «Mal de Pierres» de Nicole Garcia com Marion Cotillard e Louis Garrel fecha as entradas franceses na principal secção do Festival. A principal sessão competitiva encerra o seu alinhamento com a terceira realizadora em competição a britânica Andrea Arnold («Aquário») com «American Honey», uma obra protagonizada por Shia LaBeouf.

Passam fora de competição vários tubarões como Steven Spielberg com «O Amigo Gigante», Jodie Foster com «Money Monster» e Shane Black com «Bons Rapazes», são filmes que incluem elencos que deixarão os paparazzi a salivar.

As grandes ausências do Festival passam pela não presença de nenhum realizador italiano na competição, o recentemente adiado «Silence» de Martin Scorsese e o aguardado filme de Kiyoshi Kurosawa «La femme de la plaque argentique» com Mathieu Amalric, Tahar Rahim e Olivier Gourmet. Este ano o filme de encerramento é substituído pela re-apresentação do filme que será o vencedor da Palma de Ouro. O filme de abertura será «Cafe Society» de Woody Allen.

O Festival de Cannes decorre entre 11 a 22 de Maio e a revista Metropolis volta a fazer história, pelo segundo ano consecutivo teremos quatro jornalistas a cobrirem in loco o Festival para os nossos leitores.

Seleção da 69º Festival de Cannes

Filme de Abertura: Cafe Society, director: Woody Allen (fora de competição)

American Honey, director: Andrea Arnold
Aquarius, director: Kleber Mendonça Filho
Daniel Blake, director: Ken Loach
Elle, director: Paul Verhoven
Family Photos, director: Cristian Mungiu
From the Land of the Moon, director: Nicole Garcia
Gimme Danger, director: Jim Jarmusch (fora de competição)
Goksung, director: Na Hong-Jin (fora de competição)
It's Only the End of the World, director: Xavier Dolan
Julieta, director: Pedro Almodovar
Loving, director: Jeff Nichols
Ma Rosa, director: Brillante Mendoza
Money Monster, director: Jodie Foster (fora de competição)
Paterson, director: Jim Jarmusch
Personal Shopper, director: Olivier Assayas
Sieranevada, director: Cristi Puiu
Slack Bay, director: Bruno Dumond
Staying Vertical, director: Alain Guiraudie
The BFG, director: Stephen Spielberg (fora de competição)
The Handmaid, director: Park Chan Wook
The Last Face, director: Sean Penn
The Neon Demon, director: Nicholas Winding Refn
The Nice Guys, director: Shane Black (fora de competição)
The Unknown Girl, directors: Jean-Pierre and Luc Dardenne
Toni Erdmann, director: Marie Ade

Un Certain Regard

Apprentice, director: Junfeng Boo
After The Storm, director: Hirokazu Kore-Eda
Beyond the Mountains and Hills, director: Eran Kolirin
Captain Fantastic, director: Matt Ross
Clash, director: Mohamed Diab
Dogs, director: Bogdan Mirica
Francisco Sanctis’s Long Night, directors: Francisco Marquez, Andrea Testa
Harmonium, director: Koji Fukada
Inversion, director: Behnam Behzadi
Pericle Il Nero, director: Stefano Mordini
Personal Affairs, director: Maha Haj
Red Turtle, director: Michael Dudok de Wit
The Dancer, director: Stéphanie di Giusto
The Happiest Day in the Life of Olli Maki, director: Juho Kuosmanen
The Stopover, directors: Delphine Coulin, Muriel Coulin
The Student, director: Kirill Serebrennikov
The Transfiguration, director: Michael O’Shea

Sessões Especiais (fora de competição)

Exil, director: Rithy Panh
Hissein Habre, a Chadian Tragedy, director: Mahamet-Saleh Haroun
The Cancer, director: Paul Vecchiali
The Last Days of Louis XIV, director: Albert Serra
The Last Resort, directors: Thanos Anastopoulos, Davide del Degan

Assinar este feed RSS