logo

Entrar
Actualizado às 10:34 PM, Sep 15, 2019

Um Oscar lotado de estrangeiros

Destaque "Roma", de Alfonso Cuarón: Netflix em alta Divulgação "Roma", de Alfonso Cuarón: Netflix em alta

De mãos dadas ao apogeu da Netflix, a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood fez de «Roma», produção de maior prestígio do serviço de streaming, o campeão de indicações ao Oscar 2019, empatado com a comédia de intriga palaciana «A Favorita»: ambos disputam dez categorias. Com estreia marcada para esta quinta-feira no Brasil e dia 7 de Fevereiro em Portugal, a trama sobre a corte do século XVIII de uma Inglaterra em guerra com a França é um projeto com tudo o que a Meca do cinema gosta: ambientação de época, cenografia sofisticada, grandes atrizes (Olivia Colman é uma rainha com crise de gota e as coadjuvantes Rachel Weisz e Emma Stone, suas cortesãs... e amantes). Já o drama mexicano escrito, fotografado (a preto e branco), montado e dirigido por Alfonso Cuarón vem de um formato de produção para a internet que a Academia nunca havia reconhecido antes.

E vale a pena destacar que, embora tenha apenas cinco nomeações, «Green Book», que entra em cartaz também nesta quinta-feira (Portugal e Brasil), pode virar o jogo para si (e para as reflexões sobre inclusão racial nos EUA) depois de ter conquistado o troféu do Sindicato de Produtores da América (o Producers Guild Awards – PGA) no último sábado. Historicamente, quem leva o prémio costuma conquistar o Oscar de melhor filme, dada a omnipresença do PGA na massa votante da Academia. Porém, há uma série de surpresas na lista de nomeados que foi divulgada na manhã de terça-feira, pelo comediante Kumail Nanjiani e pela atriz e diretora Tracee Ellis Ross, ligadas a uma mesma vertente: a valorização de talentos estrangeiros nas categorias técnicas de maior relevo da festa. A mais notável é a aclamação do cineasta polonês Paweł Aleksander Pawlikowski, pela love story «Guerra Fria», que estreia no Brasil no dia 7 de fevereiro.

Esperava-se ouvir o nome de Bradley Cooper, pelo seu desempenho no comando de «Assim Nasce Uma Estrela» (fenómeno de bilheteria coroado com oito nomeações), na seleção de indicados ao Oscar de melhor direção, mas Pawlikowski foi citado no seu lugar. Raras vezes um diretor que não seja americano, nem radicado lá, foi nomeado na categoria relativa aos cineastas: foi o caso do argentino (naturalizado brasileiro) Hector Babenco (por «O Beijo da Mulher-aranha»); de Fernando Meirelles («Cidade de Deus»), também do Brasil; e do austríaco Michael Haneke («Amor»). Desta vez, a disputa inclui ainda um grego, Yorgos Lanthimos, por “A Favorita», e Cuarón, do México, por «Roma». Mas estes dois já eram esperados; o atual artesão do P&B da Polônia, não. Laureado em 2015 por «Ida», Pawlikowski vem arrebatando corações com um drama romântico mediado por um impasse histórico, entre um músico e uma cantora no auge da Cortina de Ferro na Europa.

“Períodos governados pela brutalidade e pela intolerância favorecem grandes histórias de amor, pois eles não comportam distrações, não permitem encantamentos que se descolam do contexto político, ao contrário do que vivemos hoje, imersos num mar de imagens, presos aos telemóveis, entorpecidos por ruídos”, disse Pawlikowski à Metropolis, em Cannes, de onde saiu com o prémio de melhor diretor, por «Cold War», título internacional de uma produção indicada ainda aos Oscar de melhor filme estrangeiro e melhor fotografia (assinada por Lukasz Zal). “A força maior aqui não é a virtuose técnica, é o querer”.

O seu visual em preto e branco, de um requinte plástico singular, é um passaporte sensorial para uma viagem aos anos 1940, 50 e 60 de uma Europa imersa num clima de paranóia seja no lado comunista, seja na porção capitalista. Orçado em €4,9 milhões, a longa é uma celebração da paixão como força incondicional. Sua trama se espalha por diferentes países, ao longo de duas décadas, saindo da Polônia e voltando a ela, atrás de um casal ligado pela música. Por quase 20 anos, o maestro e compositor Wiktor (Tomasz Kot, em sublime atuação) vai fazer de tudo para ficar ao lado de uma cantora, a jovem Zula (Joanna Kulig), que ajudou a revelar. Mas o Estado polaco vai atrapalhar os sonhos dos pombinhos. “Carrego esta história comigo há décadas, antes mesmo de «Ida», como um tributo aos meus pais e às dificuldades que os dois enfrentaram. O seu enredo parte da percepção fatalista de que quase tudo na vida acaba mal, menos a paixão. O amor é uma forma desafiar os obstáculos que nos atrapalham”, diz o cineasta, que usa uma depuradíssima engenharia de som nas cenas de canto e nos espetáculos de que o casal participa. “É um filme sobre a arte de ouvir o próximo”.

Nessa onda de empoderar profissionais estrangeiros na cerimónia da Academia, um filme alemão, de um diretor europeu outrora decadente, destronou concorrentes a nomeações cobiçadas: “Nunca Deixes de Olhar”, de Florian Henckel von Donnersmarck, oscarizado há uma década por «A Vida dos Outros». A história de um jovem pintor que luta para construir sua própria estética, assombrado por um fantasma do nazismo, foi indicado aos prémios de filme estrangeiro e de fotografia, assinada por Caleb Deschanel, de «A Paixão de Cristo» (2004). Há holofotes para produções vindas de outros continentes também entre as animações. De CEP asiático, «Mirai» põe a japanimation na rota do Oscar, coroando o cineasta Mamoru Hosoda numa seara antes dominada pela Disney. Quem deve ganhar é o sucesso «Homem-Aranha: No Universo Aranha». Mas só em ser nomeado, Hosoda já passa para o Panteão do cinema.

NOMEADOS

Melhor Filme
"Bohemian Rhapsody"
"BlacKkKlansman: O Infiltrado"
"A Favorita"
"Black Panther"
"Green Book"
"Roma"
"Assim Nasce uma estrela"
"Vice"

Melhor Realizador
Spike Lee ("BlacKkKlansman: O Infiltrado")
Yorgos Lanthimos ("A Favorita")
Alfonso Cuarón ("Roma")
Adam McKay ("Vice")
Pawel Pawlikowski ("Guerra fria")

Melhor Atriz
Lady Gaga ("Assim Nasce Uma Estrela")
Glenn Close ("A Mulher")
Yalitza Aparicio ("Roma")
Olivia Colman ("A Favorita")
Melissa McCarthy ("Can You Ever Forgive Me")



Melhor Ator
Christian Bale ("Vice")
Bradley Cooper ("Assim Nasce Uma Estrela")
Willem Dafoe ("À Porta da Eternidade")
Rami Malek ("Bohemian Rhapsody")
Viggo Mortensen ("Green Book")



Melhor Atriz Secundária

Amy Adams - "Vice"
Regina King - "Se Esta Rua Falasse"
Emma Stone - "A Favorita"
Rachel Weisz - "A Favorita"
Marina de Tavira - "Roma"



Melhor Ator Secundário
Adam Driver - "BlacKkKlansman: O Infiltrado"
Mahershala Ali – "Green Book"
Richard E. Grant – "Can You Ever Forgive Me?"
Sam Elliott - "Assim Nasce uma estrela"
Sam Rockwell – "Vice"



Melhor Argumento Adaptado
“BlacKkKlansman: O Infiltrado”
“A Balada de Buster Scruggs”
“Can You Ever Forgive Me?”
“Se Esta Rua Falasse”
“Assim Nasce uma estrela”



Melhor Argumento Original
“A Favorita”
“No Coração da Escuridão”
“Green Book”
“Roma”
“Vice”


Melhor Filme Estrangeiro
"Cafarnaum" (Líbano)
"Guerra fria" (Polónia)
" Nunca Deixes de Olhar" (Alemanha)
"Roma" (México)
"Shoplifters: Uma Família de Pequenos Ladrões" (Japão)

Melhor Montagem
"BlacKkKlansman: O Infiltrado"
"Bohemian Rhapsody"
"A Favorita"
"Green Book"
"Vice"

Melhor Fotografia
"Guerra fria"
"A Favorita"
"Nunca Deixes de Olhar"
"Roma"
"Assim Nasce uma estrela"

 

Melhor Guarda-Roupa
"A Balada de Buster Scruggs"
"Black Panther"
"A Favorita"
"O Regresso de Mary Poppins"
"Maria, Rainha dos Escoceses"


Melhores Efeitos Visuais
"Vingadores: Guerra do Infinito"
"Christopher Robin"
"O Primeiro Homem na Lua"
"Ready Player One: Jogador nº 1"
"Solo: Uma História Star Wars"

Melhor Caracterização
"Maria, Rainha dos Escoceses"
"Vice"
"Na Fronteira"


Melhor Direção Artística
"Black Panther”
"A Favorita"
"O Primeiro Homem na Lua"
"O Regresso de Mary Poppins"
"Roma"



Melhor Canção Original
"All The Stars", de "Black Panther"
"I’ll Fight", do documentário "RBG"
"The Place Where Lost Things Go", de "O Regresso de Mary Poppins"
"Shallow", de "Assim Nasce uma estrela"
"When A Cowboy Trades His Spurs for Wings", de "A Balada de Buster Scruggs"

Melhor Banda Sonora
"Black Panther"
"Se Esta Rua Falasse"
"O Regresso de Mary Poppins"
"BlacKkKlansman: O Infiltrado”
"Ilha dos Cães"



Melhores Efeitos Sonoros
“Black Panther”
“Bohemian Rhapsody”
“O Primeiro Homem na Lua”
“Um Lugar Silencioso”
“Roma”

Melhor Mistura de Som
"Black Panther"
"Bohemian Rhapsody"
"O Primeiro Homem na Lua"
"Roma"
"Assim Nasce Uma Estrela"


Melhor Curta-Metragem de Imagem Real
"Detainment"
"Fauve"
"Marguerite"
"Mother"
"Skin"

Melhor Curta-Metragem de Animação
"Animal Behavior"
"Bao"
"Late Afternoon"
"One Small Step"
"Weekends"

Melhor Documentário (Longa-Metragem)
"Free Solo"
"Hale County"
"Minding the Gap"
"Of Fathers and Sons"
"RBG"



Melhor Curta-Metragem de Imagem Real
"Black Sheep"
"End Game"
"Lifeboat"
"A Night at the Garden"
"Period. End Of Sentence"

Modificado emquarta, 23 janeiro 2019 23:44

Deixe um comentário

Certifique-se que coloca as informações (*) requerido onde indicado. Código HTML não é permitido.