logo

Entrar
Actualizado às 10:13 PM, Aug 20, 2019

Queer Lisboa: «Antes o Tempo Não Acabava» eleito Melhor Filme

Julia Lübbert, a adolescente protagonista de «Rara» – a longa favorita do público –, surpreendeu ao vencer na categoria de Melhor Atriz.

A vigésima edição do Festival Internacional de Cinema Queer – Lisboa coroou «Antes o Tempo Não Acabava» (2016), realizado pelos brasileiros Fábio Baldo e Sérgio Andrade, como a Melhor Longa-Metragem. O filme retrata o quotidiano de Anderson, um indígena que mora nos arredores de Manaus, mas que está em choque com a tradição da sua tribo e as expetativas da sua comunidade. À procura de si mesmo e da sua identidade, bem como da sua sexualidade, o jovem tenta afastar-se da rotina e muda-se para o centro da cidade, onde é verdadeiramente livre de experimentar novas sensações e ambientes. No seguimento deste resultado, não é de estranhar que Anderson Tikuna veja a sua brilhante interpretação ser coroada com o prémio de Melhor Ator.

Por sua vez, o ternurento «Rara» (2015), que marca a estreia de Pepa San Martín na realização, valeu a Julia Lübbert, que interpreta a protagonista Sara, de 13 anos, o título de Melhor Atriz. Também o público não ficou indiferente ao filme chileno, permitindo o “bis” com o Prémio do Público para Melhor Longa-Metragem. Sara é a filha de Paula, uma mulher divorciada que vive com a companheira Lia e as duas filhas. Em plena fase de crescimento, Sara vai observando o que a rodeia, ao mesmo tempo que o espetador conhece, através dela, a sua realidade e a forma como esta se vai moldando à sua volta. A atravessar uma fase mais problemática, a jovem vê a sua custódia e de Catalina, a ingénua irmã mais nova, ser disputada pelos pais.

queerO italiano «Irrawaddy Mon Amour» (2015), realizado por Valeria Testagrossa, Nicola Grignani e Andrea Zambelli , foi escolhido como Melhor Documentário, enquanto «Coming Out» (2015), de Alden Peters, recebeu uma menção especial do júri. «Irrawaddy Mon Amour» (2015) retrata a história de Soe Ko, um vendedor de rua numa aldeia junto ao rio Irrawaddy, no Myanmar. Apaixonado por um pedreiro de uma localidade vizinha, o jovem sonha com o casamento mas, no seu país, tal união é extremamente proibida, embora haja um pequeno núcleo que aceita a homossexualidade. O documentário retrata os preparativos do casamento, com o casal a receber a ajuda indispensável de elementos mais próximos.

«Waiting for B.» (2015) foi o documentário mais votado pela audiência, o que lhe valeu o Prémio do Público nesta categoria. O concerto de Beyoncé em São Paulo, em 2013, atraiu todas as atenções e Abigail Spindel e Paulo Cesar Toledo, à procura de uma história para contar, acabaram por registar a longa jornada de um grupo de jovens, maioritariamente homens e homossexuais, que acamparam durante três meses junto ao estádio para garantirem o melhor lugar possível. Já nas curtas-metragens, «1992» (2015), de Anthony Doncque, venceu o galardão máximo, enquanto «Pink Boy» (2015), de Erick Rockey, foi o melhor para o público.

Melhor Longa-Metragem: «Antes o Tempo Não Acabava», de Fábio Baldo e Sérgio Andrade
Melhor Atriz: Julia Lübbert, em «Rara»
Melhor Ator: Anderson Tikuna, em «Antes o Tempo Não Acabava»
Menção Especial do Júri – Documentários: «Coming Out», de Alden Peters
Melhor Documentário: «Irrawaddy Mon Amour», de Valeria Testagrossa, Nicola Grignani e Andrea Zambelli
Menção Especial do Júri – Curtas-Metragens: «Como en Arcadia», de Jordi Estrada
Melhor Curta-Metragem: «1992», de Anthony Doncque
Menção Especial do Júri – Queer Art: «Trilogie de Nos Vies Défaites», de Vincent Dieutre.
Melhor Filme Queer Art: «A Paixão de JL», de Carlos Nade
Menção Especial do Júri – In My Shorts: «La Tana», de Lorenzo Caproni
Menção Especial do Júri – In My Shorts: «Climax», de Fulvio Balmer Rebullida.
Melhor Curta-Metragem de Escola: «Children, Madonna and Child, Death and Transfiguration», de Ricardo Vieira Lisboa
Prémio do Público para Melhor Longa-Metragem: «Rara», de Pepa San Martín
Prémio do Público para Melhor Documentário: «Waiting For B.», de Abigail Spindel e Paulo César Toledo
Prémio do Público para Melhor Curta-Metragem: «Pink Boy», de Erick Rockey

Mídia

Modificado emdomingo, 25 setembro 2016 11:47

Deixe um comentário

Certifique-se que coloca as informações (*) requerido onde indicado. Código HTML não é permitido.