logo

Entrar
Actualizado às 9:55 PM, Oct 14, 2019

"Vida Inteligente" - Trailer c/ Jake Gyllenhaal e Ryan Reynolds

"Vida Inteligente" (Life) conta-nos a história dos seis membros da tripulação da Estação Espacial Internacional no momento em que a mesma se depara com uma das mais importantes descobertas na história da humanidade: a primeira prova da existência de vida extraterrestre em Marte. À medida que a tripulação inicia a pesquisa, os seus métodos acabam por ter consequências indesejadas e a forma de vida mostra ser mais inteligente do que alguma vez esperaram...

Rebecca Ferguson, Jake Gyllenhaal e Ryan Reynolds, interpretam o filme do realizador Daniel Espinosa.

  • Publicado em Videos

Animais Noturnos - Na noite de Tom Ford

Depois de Um Homem Singular (2009), Tom Ford assina mais um filme admirável — este texto foi publicado no Diário de Notícias (23 Novembro), com o título 'A arte do assombramento'.

Há um lugar-comum que promove o espectáculo cinematográfico como misto de artifício e pompa vivido na sala escura. O lugar-comum é verdadeiro (até porque ver filmes em ecrãs de computador faz parte do nosso mais triste masoquismo cultural), mas francamente insuficiente. Um grande filme não se define apenas pelo seu grau de surpresa — um grande filme entranha-se na consciência, avisando-nos que temos um inconsciente onde se travam as guerras de uma cruel economia afectiva e simbólica.

Animais Nocturnos é um desses grandes filmes. E tanto mais quanto a arte narrativa de Tom Ford nos projecta no labirinto da escrita, a mais poderosa linguagem que os humanos inventaram (muito antes de se lembrarem de ligar uma imagem com outra, chamando ao evento qualquer coisa como “cinematógrafo”).

Repare-se na transparência dramática de Susan (Amy Adams, a justificar dois Oscars, um pela presença, outro pela abstracção). Quando ela começa a ler o romance do ex-marido Edward (Jake Gyllenhaal), assistimos a quê? Acontece que a escrita se vai insinuando como “coisa” que desafia a evidência do corpo e a nitidez do pensamento: Susan descobre que a escrita, uma palavra a seguir a outra, uma frase enredada na frase seguinte, existe como espelho glorioso do desejo — e também do seu pressentimento da morte.

Se Susan nos vai parecendo tão desamparada, isso decorre do facto de ela ser também um espelho, neste caso da insensatez do espectador. Porque o espectador, mesmo avisado das convulsões insolúveis de cada história que se conta, cai no erro de desejar um final, se não feliz, pelo menos redentor. No caso de Animais Nocturnos, sentimos que o filme decide não acabar, preferindo insinuar-se como assombramento privado — resta saber se somos dignos do medo que isso faz.

  • Publicado em Feature

Animais Noturnos

«Animais Noturnos» é um elegante e provocador thriller, que nos prende na sua rede de sub-tramas entrelaçadas. Susan Morrow (Amy Adams) é uma bem-sucedida negociadora de arte, mas sente-se vazia. Entretanto, recebe um romance, escrito pelo seu ex-marido Edward Sheffield (Jake Gyllenhaal), com quem já não tem qualquer contacto. O livro é dedicado a Susan e é muito violento e emocionalmente devastador, o que Susan interpreta como uma vingança simbólica, numa leitura que a obriga a enfrentar o seu passado e as escolhas que a levaram até a vida que hoje tem, bem como à própria relação que manteve com o autor.

Tom Ford é um esteta na forma e no conteúdo, providenciando um filme bem estruturado, que consegue apresentar, de forma pertinente e harmoniosa, diferentes momentos de uma mesma história, para que se consiga construir uma melhor construção da identidade da protagonista. O cineasta também assina o argumento, a partir do romance “Tony and Susan”, de Austin Wright, conseguindo descomplicar no grande ecrã uma narrativa que poderia ficar confusa, realçando-se uma montagem acertada de Joan Sobel em alternar as histórias de uma forma suave e cadenciada. Destaca-se ainda em «Animais Noturnos» uma fotografia sagaz e intimista, assinada por Seamus McGarvey, bem como uma banda-sonora de Abel Korzeniowski que imprime o tom certo na altura certa.

O elenco da obra é fastuoso, encabeçado pela interpretação sensível e minuciosa de Amy Adams e um Jake Gyllenhaal no fio da navalha, roubando todas as cenas. Ao longo do filme, assistimos ainda a um desfile de nomes como Michael Shannon, Aaron Taylor-Johnson, Laura Linney, Michael Sheen, Armie Hammer e Isla Fisher, em que os dois primeiros têm mais espaço para explorar um maior espectro dramático, garantindo desempenhos vistosos.

Com uma história dentro da história, Ford constrói um thriller obsessivo com algum grau de introspeção e um clima de tensão latente, alternando entre cenas de brutalidade e cenários artisticamente arrojados e ostensivos, num paradoxo metafórico da própria protagonista. Tal como diz o ditado, “a vingança é um prato que se serve frio”, e, neste caso, absolutamente gelado.

quatro estrelas

Título Nacional Animais Noturnos Título Original Nocturnal Animals Realizador Tom Ford Actores Amy Adams, Jake Gyllenhaal, Michael Shannon Origem Estados Unidos Duração 116’ Ano 2016

Animais Noturnos - rentrée 2016

O texano Tom Ford é um dos mais conhecidos estilistas a nível mundial, mas surpreendeu a indústria cinematográfica quando realizou «Um Homem Singular» (2009), que rendeu a Colin Firth a sua primeira nomeação para o Óscar de Melhor Ator, que viria efetivamente a vencer um ano mais tarde, por «O Discurso do Rei» (2010).

«Animais Noturnos» é a adaptação cinematográfica do romance “Tony and Susan”, escrito por Austin Wright e lançado em 1993. Foi o próprio Tom Ford quem escreveu o argumento, aumentando, ainda mais, as expectativas para este seu regresso ao Cinema, após sete anos de interregno. Tal como aconteceu com «Um Homem Singular», Ford mune-se de um elenco de peso para compor a sua obra, com nomes como Jake Gyllenhaal, Amy Adams, Laura Linney, Michael Shannon, Isla Fisher, Armie Hammer e Aaron Taylor Johnson.

Um dos filmes que mais despertam curiosidade, «Animais Noturnos» consegue reunir um elenco de luxo e um realizador que apaixonou a crítica, que espera dele um novo triunfo. O hype foi aumentado pela presença em dois dos principais Festivais de Cinema mundiais: Toronto e Veneza.

HISTÓRIA Susan Morrow (Amy Adams) é obrigada a enfrentar o seu passado quando o seu ex-marido, Walker Morrow (Armie Hammer), lhe envia um exemplar do seu primeiro romance. O livro é um thriller violento que explora temas como o amor, crueldade, vingança e redenção. Susan interpreta a história como uma ameaça velada e uma vingança simbólica.

REALIZADOR: TOM FORD («Um Homem Singular», 2009)

ELENCO: JAKE GYLLENHAAL, AMY ADAMS, ISLA FISHER, LAURA LINNEY, ARMIE HAMMER

DATA DE ESTREIA PREVISTA: 17 DE NOVEMBRO (PORTUGAL)

 

  • Publicado em Feature
Assinar este feed RSS