logo

Entrar
Actualizado às 12:37 PM, Feb 14, 2020

Joker

Os filmes de super-heróis constituem um género ainda em expansão, com o Universo Cinematográfico da Marvel como o principal apogeu deste sucesso. Contudo, «Joker» não é um filme de super-heróis qualquer. A obra volta a retratar um dos principais vilões da banda-desenhada e também já do Cinema: Joker, o mestre do crime conhecido pela extrema violência e o seu assustador riso.

«Joker» passa-se em 1981, na cidade de Gotham City, e aborda a história de Arthur Fleck antes de ser Joker. “Há muita liberdade porque, na banda desenhada, o Joker nunca teve uma história sobre a sua origem”, revela Todd Phillips, que assina o argumento e realização da obra. O cineasta tem uma carreira mais marcada na área da comédia, arriscando agora num registo mais dramático. Phillips é sobretudo reconhecido pela trilogia de sucesso A Ressaca, tendo também sido nomeado para o Óscar de Melhor Argumento Adaptado por «Borat: Aprender Cultura da América para Fazer Benefício Glorioso à Nação do Cazaquistão» (2006).

Para este novo desafio, Phillips refere que as suas influências passaram por filmes muito focados nos personagens, como «O Homem Que Ri» (1928), «Serpico» (1973) e «Taxi Driver» (1976). Embora o personagem faça parte do portefólio da DC Comics, a obra não tem qualquer ligação com os filmes do Universo Cinematográfico da DC, do qual fazem parte, por exemplo, «Mulher-Maravilha» (2017) e «Aquaman» (2018).

O cineasta confessou também que o filme foi escrito para Joaquin Phoenix, mas que foi necessários vários meses para conseguir convencer o ator, já que “ele não estava aberto a participar em qualquer filme baseado em banda-desenhada”. Phoenix conta já com três nomeações aos Óscares, pelas suas interpretações em «Gladiador» (2000), «Walk the Line» (2005) e «The Master - O Mentor» (2012). “A parte do personagem que me interessou foi a sua luta para encontrar a felicidade e de se sentir conectado, sentir cordialidade e amor. Ele era muitas coisas diferentes para mim. Quem ele era nas primeiras semanas de filmagens era completamente diferente do que era no final. Estava em constante evolução. Nunca tive uma experiência assim”, revela o ator. Para interpretar Joker, Phoenix perdeu 23 quilos e treinou muito o riso de Joker, considerando como algo “quase doloroso. Penso que, para o Joker, é uma parte dele que quer emergir”.

«Black Panther« (2018) foi o primeiro filme de super-heróis a garantir uma nomeação para o Óscar de Melhor Filme e são muitas as expectativas para «Joker». A obra ganhou o Leão de Ouro no Festival de Cinema de Veneza, o prémio mais importante de um dos principais festivais mundiais, e pretende mostrar um outro lado do vilão e o impacto da falta de empatia e de uma sociedade cruel, como salienta Phillips: “Não acho que o objetivo deste Joker era ver o mundo a arder. Ele tinha um objetivo totalmente diferente em mente. No começo do filme, está à procura de identidade. Acho que se tornou um símbolo por engano. O seu objetivo era genuinamente fazer as pessoas rir. Ele tomou algumas decisões más ao longo do caminho, mas esse não era o seu objetivo”.

História: Arthur Fleck (Joaquin Phoenix) trabalha como palhaço para uma agência de talentos durante o dia e, à noite, tenta tornar-se num artista de stand-up comedy. Desprezado pela sociedade, Arthur enfrenta a crueldade de quem o rodeia, até que uma decisão errada leva a uma cadeia de eventos inesperados e perigosos.
Realizador: Todd Phillips («Starsky & Hutch», 2004; «A Ressaca», 2009; «A Tempo e Horas», 2010)
Elenco: Joaquin Phoenix, Zazie Beetz, Robert De Niro

Mídia

Deixe um comentário

Certifique-se que coloca as informações (*) requerido onde indicado. Código HTML não é permitido.