logo

Entrar
Actualizado às 11:21 PM, Dec 4, 2019

Sacanas sem Lei - ciclo Tarantino

Evocar tensão e tirar o tapete ao espetador. Em «Inglorious Basterds», Tarantino iniciou essa sua tendência, quase como um tique. Fá-lo de forma artesanal, quase sempre num contínuo prazer de auto-evocação. Não estará no top 3 dos seus melhores filmes, mas é obra-prima do cinema de guerra dos últimos anos.

«Sacanas sem Lei» é o primeiro de Tarantino a brincar com o revisionismo histórico. A brincar ou a fabricar de forma estruturada e com reivindicação de direitos de autor. Quem vir agora «Era uma Vez em...Hollywood» vai perceber que talvez se trate de obsessão. E é ainda o primeiro filme de Tarantino a reforçar o seu amor por uma escrita em atos ou o cineasta não estivesse em constante ensaio conceptual com a respiração teatral.

A história passa-se na Segunda Guerra Mundial e apresenta-nos um grupo de soldados dos Aliados que se junta com um plano para matar o líder dos nazis, Hitler. Tudo menos uma história verdadeira. Ou seja, a ficção ao serviço do delírio da justiça cinéfila.

Tarantino, mais do que um filme, ergue uma antologia de todo o seu estilo. Mais do que nunca, aperfeiçoa o limite da explosão emocional de cada cena e encena um discurso pós-moderno sobre a linguagem, mesmo quando o anacronismo do Inglês é a pedra de toque.

Para lá de tudo isto, «Sacanas sem Lei» é o filme de guerra a ir ao convento da cultura pop. E é sempre feudal a quem ainda acredita na arte do espanto.

Brad Pitt, Christoph Waltz, Diane Kruger, Eli Roth, Mélanie Laurent
2009 | 153 min

Mídia

Modificado emdomingo, 22 setembro 2019 21:33

Deixe um comentário

Certifique-se que coloca as informações (*) requerido onde indicado. Código HTML não é permitido.