logo

Entrar
Actualizado às 11:21 PM, Dec 4, 2019

My Best Friend's Birthday - ciclo Tarantino

O que poderemos extrair em todo este “My Best Friend's Birthday” é uma determinada e peculiar cena em que o próprio Quentin Tarantino (sob a persona de Clarence, um radialista que imaginou o suicídio aos 3 anos de idade) abre a porta do seu quarto e num vibrante panorama fazemos uma tour pelos posters de filmes pendurados nas suas quatro paredes. Este foi o convite que precisávamos para entrar num universo, uma fantasia que irá nos acompanhar durante 30 anos, a dita cinefilia tarantinesca. Mas antes de chegarmos às ficções pulp e aos cães raivosos em golpes falhados, fazemos uma paragem por este «My Best Friend’s Birthday», hoje convertido na curta inaugural do seu cinema (isto sabendo que o detentor de tal título, «Love Birds in Bondage» em ‘83, fora alegadamente destruído), um feito que o próprio recusa mencionar. De muito baixo orçamento e concebido através de ajuda de terceiros e favores em cadeia, Tarantino recorreu a uma mirabolante teia de ideias tecidas desde o início da sua consciência cinematográfica, ou seja, referências aqui, ou referências acolá, esta intriga de uma festa de anos que resulta numa catástrofe em fora de plano é uma citação ao Cinema com o qual cresceu ou que segue atentamente (existe por estes recantos uma admiração por um certo cinema nova-iorquino vindo das escolas, como Spike Lee e o seu “Os Bons Amantes”). Hoje restam apenas 36 minutos de filme, o que gerou durante anos um mito de que grande parte deste se perdera num incêndio, porém, o argumentista e produtor Roger Avary (responsável pela fotografia de «My Best Friend’s Birthday») revelou que a sua não conclusão foi derivada a inexistências orçamentais. Mas o que aprendemos com este suposto fracasso, é que a partir deste nasceu a sede de filmar de Tarantino (e o resto é História). Vale a pena referir que em 1993, o realizador reciclaria a ideia deste aniversário de amigos para escrever «Amor à Queima-Roupa», de Tony Scott. 

Craig Hamann, Quentin Tarantino, Crystal Shaw Martell
1987 | 36 min

Deixe um comentário

Certifique-se que coloca as informações (*) requerido onde indicado. Código HTML não é permitido.