logo

Entrar
Actualizado às 11:18 PM, Jul 17, 2018

Contracampo - Na ressaca de Cannes

Destaque «Western» «Western»

Na ressaca do Festival de Cannes de 2018 têm chegado ao mercado português vários títulos do Festival de Cannes de... 2017. É verdade: por vezes, no circuito português, a actualidade parece medir-se por uma escala anual.

Estranha opção. Dir-se-á que haverá um ou outro caso em que semelhante atraso decorre de escolhas internacionais que, de alguma maneira, «obrigaram» os filmes a esperar doze meses ou mais, desligando-os de qualquer efeito de actualidade. Talvez, mas a proliferação de estreias atrasadas é sintoma de uma (falta de) dinâmica que, mesmo não sendo meramente nacional, não pode deixar de ser registada com iniludível perplexidade.

Afinal de contas, todos os agentes do mercado são capazes de reconhecer e, muitas vezes, celebrar as maravilhas deste mundo «global» em que vivemos. Certo... Mas não será que tal mundo impõe, precisamente, que se pense de forma ágil a relação entre a actualidade e o mercado?

Os filmes não serão «melhores» nem «piores» por causa das datas em que são lançados. Em todo o caso, fica uma constatação: este é um mercado em que qualquer blockbuster de quinta ordem tem direito a dezenas (por vezes, mais de uma centena) de salas para a sua estreia (global, hélas!); este é também um mercado em que um filme realmente diferente pode ser lançado, um ano depois da sua revelação em Cannes, em meia dúzia de salas (ou menos). Por isso, antes de alguém se atrever a fazer demagogia invocando o «gosto» do público, será salutar começarmos por reflectir nas opções que determinam estes desequilíbrios comerciais.

Mídia

Deixe um comentário

Certifique-se que coloca as informações (*) requerido onde indicado. Código HTML não é permitido.