Logo
Imprimir esta página

O silêncio que se faz cinema

Destaque O silêncio que se faz cinema

A propósito de «Silêncio», de Martin Scorsese, muito se tem falado da presença central de personagens portuguesas: na segunda metade do século XVII, dois padres jesuítas portugueses (Andrew Garfield e Adam Driver) são enviados ao Japão para verificar se, de facto, um outro jesuíta português (Liam Neeson) renegou a fé católica, submetendo-se à violência física e emocional das autoridades nipónicas.

Há, de facto, uma essencial dimensão portuguesa na saga dos protagonistas, mas importa não a reduzir a uma mera curiosidade histórica. Afinal de contas, aquilo que Scorsese coloca em cena é uma muito antiga interrogação, com uma perturbante dimensão interior: como assumir as exigências de uma missão divina (neste caso enraizada na fé) que supera os parcos recursos do ser humano?

«Silêncio» serve, assim, para completar uma trilogia de temas religiosos que começou com «A Última Tentação de Cristo» (1988), reinventando a epopeia bíblica de Jesus, e se prolongou através de «Kundun» (1997), um retrato do Dalai Lama. Aquilo que Scorsese coloca obsessivamente em cena é, afinal, a trágica desproporção que se manifesta entre a dimensão humana e o apelo da divindade.

Tal como no romance do japonês Shusaku Endo em que o filme se baseia (editado entre nós pela Dom Quixote), o silêncio que o título nomeia provém, se assim nos podemos exprimir, da própria divindade — os humanos tentam encontrar uma resposta que quebre tal silêncio mas, em boa verdade, é na mais radical introspecção que residirá o essencial do seu destino.

Escusado será sublinhar o desafio formal e narrativo que tal implica. Scorsese é um criador que sabe aplicar os meios específicos do cinema para sondar as regiões mais inacessíveis da experiência humana, suas dúvidas e perplexidades. Em última instância, «Silêncio» desafia também o espectador a superar os seus limites existenciais — uma experiência rara, fascinante.

Mídia

Modificado emquinta, 19 janeiro 2017 22:28
Powered by 7App.pt.