logo

Entrar
Actualizado às 9:31 PM, Aug 22, 2019

Carneiros

A Islândia é uma terra que no nosso imaginário ainda nos parece longínqua. Mas tem vindo a conquistar-nos seja através da música dos Sigur Rós, seja através das incríveis paisagens presentes na popular série «A Guerra dos Tronos», ou mesmo no filme «A Vida Secreta de Walter Mitty» (2013). No entanto, estas paisagens possuem mais histórias para contar, «Rams» é uma delas, divertida e comovente.

Neste filme acompanhamos a vida de dois irmãos, Gummi (Sigurður Sigurjónsson) e Kiddi (Theodór Júlíusson), que vivem num remoto vale na Islândia. São criadores de ovinos e apesar de viverem lado a lado não se falam há mais de 40 anos, apenas trocando mensagens através de um cão-pastor. O rebanho é o centro não só da vida destes dois irmãos, como também de toda a comunidade presente e retratada no filme de Grímur Hákonarson. São as ovelhas e carneiros que regem o dia-a-dia da população, a sua sobrevivência, protegendo-a do enlouquecimento e solidão causados pelo isolamento. Sem os rebanhos a população fica perdida, por isso, quando, de repente, aparecem ovelhas contaminadas com “scarpie” (doença neurodegenerativa fatal), a tragédia abate-se sobre a pequena comunidade de criadores, uma vez que todos os animais têm de ser abatidos e tem de se esperar um período de dois anos para voltar a ter um novo rebanho. A certidão de óbito foi assinada a esta comunidade. Os irmãos, cada um à sua maneira, vão tentar salvar as suas preciosas ovelhas, revelando desta forma o profundo laço que os liga aos animais e à sua maneira de viver.

Grímur Hákonarson constrói um filme simples e sincero sobre a relação tocante entre Gummi e Kiddi, e destes com os seus rebanhos. Explora os sentimentos em episódios cómicos e comoventes, mostrando que o ser humano precisa de manter relações para sobreviver, mesmo que sejam com o gado ou com o odiado irmão. Todas estas emoções e sentimentos são realçados pelo jogo de planos que ocorre na película. Nos planos gerais podemos ver a beleza natural do vale, as quintas ao longo das estações, o que acentua, principalmente no inverno, o isolamento a que estão sujeitos, presos em muralhas de gelo. Em planos médios ou mesmo aproximados observa-se como as personagens muitas vezes se confundem com a natureza ou com as próprias ovelhas, sobretudo Gummi quando abraça as suas ovelhas e só se vê uma amálgama de barba e lã. E é também nestes momentos, quando a câmara se aproxima, que assistimos à representação magnífica dos atores: a tristeza e silêncio que Gummi carrega no olhar ou o desespero visceral nos gestos de Kiddi, tornam vãs as palavras.

Tudo em «Rams» parece simplesmente perfeito, pois o realizador islandês conseguiu equilibrar de forma esplêndida a linguagem técnica com o contar de uma história e trabalhar a tristeza e a solidão quotidianas, fugindo a qualquer tipo de lamechice. Tudo é autêntico, por isso nos entregamos por completo a este filme com ovelhas. 

cinco estrelas

Título Nacional Rams Título Original Hrútar Realizador Grímur Hákonarson Actores Sigurður Sigurjónsson, Theodór Júlíusson, Charlotte Bøving Origem Islândia/Dinamarca/Noruega/Polónia Duração 93’ Ano 2015

(Texto publicado originalmente na Metropolis nº37)

 

Mídia

Modificado emquarta, 24 agosto 2016 23:36
Mais nesta categoria: « Verdade Enquanto Somos Jovens »

Deixe um comentário

Certifique-se que coloca as informações (*) requerido onde indicado. Código HTML não é permitido.