logo

Entrar
Actualizado às 9:31 PM, Aug 22, 2019

Dheepan

Depois de «Um Profeta» (2009) e «Ferrugem e Osso» (2012), Jacques Audiard volta a pegar num assunto difícil. «Dheepan» (galardoado com a Palma de Ouro) conta-nos a história de um homem que foge à guerra civil no Sri Lanka, um guerreiro dos “Tigres do Tâmil” que agora procura asilo político em França. Porém, para o conseguir ele tem de ter uma família, para isso inventa uma. Dheepan (Jesuthasan Antonythasan), Yalini (Kalieaswari Srinivasan) e Illayaal (Claudine Vinasithamby) são totalmente desconhecidos, procuraram-se no meio de um campo de refugiados para garantirem um passaporte para uma nova vida. Todos eles são de alguma forma órfãos, todos perderam alguém e conviveram demasiado perto com a morte, também por esta razão se agarram tanto à mentira de serem uma família. Todas estas cenas no início do filme são breves, mas marcantes, dando-nos um relance das origens das personagens.
Grande parte da película passa-se, portanto, em França, primeiro nas ruas de Paris, depois num bairro periférico, no qual a família ‘faz de conta’ é recolocada. No entanto, também neste bairro Dheepan vai enfrentar várias dificuldades, como a pobreza, a exclusão social, o tráfico de droga e a violência, algo que despertará, não só nele, como também emYalini e Illayaal, ecos da guerra, fazendo emergir velhos medos e impulsos violentos. Isto porque, numa outra escala, o bairro social é também um campo de batalha, onde os seus habitantes tentam a cada dia sobreviver.

Ao longo de «Dheepan» vamos testemunhando a convivência entre três estranhos que tentam integrar-se na vida social do bairro francês ao mesmo tempo que se vão conhecendo e estabelecendo laços. Todo este processo é difícil, a estranheza está entranhada, há feridas abertas. As interpretações dos protagonistas são individualmente tocantes e fortes, sentimos a solidão e a dor de Dheepan, a rebeldia de Yalini; mas são pouco convincentes quando interagem. Sente-se uma artificialidade nesta aproximação entre as personagens. Para além disso, as elipses na narrativa, que tão bem funcionaram em «Ferrugem e Osso», nesta película criam uma barreira invisível entre as personagens e entre o público e a história de sentimentos dos três. Mas estas questões são resolvidas num final demasiado condensado e repentino, deixando-nos com a sensação que uma parte da história foi cortada. Porém, há imagens que sobressaem, que nos conquistam pela sua simplicidade e força. Como, por exemplo, logo no início do filme vemos o jogo de luzes e sentidos que saem da noite escura, as emoções contidas de Dheepan que surgem em sonhos e em bebedeiras ou a sensualidade de Yalini enquanto entra na penumbra do quarto. São quadros que acrescentam uma outra dimensão a este testemunho.

O realizador cria, então, um filme com diferentes geografias e histórias. Não é apenas uma história de refugiados a quem se dá uma identidade, mas também é uma reflexão sobre os profundos problemas da sociedade francesa. Mais uma vez Jacques Audiard volta às histórias dos que vivem ou são postos à margem, tentando mostrar o seu lado da realidade, ainda que com cortes.

Estrelas: 4

Título Nacional
Dheepan
Título ORIGINAL
Dheepan
REALIZADOR
Jacques Audiard
ACTORES
Jesuthasan Antonythasan
Kalieaswari Srinivasan
Claudine Vinasithamby
ORIGEM
França
DURAÇÃO
109’
ANO
2015

Mídia

Modificado emquarta, 03 fevereiro 2016 23:20
Mais nesta categoria: « Cinzento e Negro Anomalisa »

Deixe um comentário

Certifique-se que coloca as informações (*) requerido onde indicado. Código HTML não é permitido.