Logo
Imprimir esta página

O Rei Macaco

Destaque O Rei Macaco

«O Rei Macaco», animação chinesa em 3D que foi um sucesso de bilheteira entre o público chinês e cujo trabalho artístico não fica atrás das produções dos grandes estúdios da Pixar/Disney.

De facto, este era um dos objetivos do realizador Tian Xiao Peng: igualar a qualidade artística sem porém abandonar a sua própria cultura e histórias. Daí que tenha escolhido uma das mais populares lendas e figuras do folclore chinês como base do argumento da película animada. Ora o Rei Macaco é uma personagem lendária, possuidor de muitos poderes, que desafia os Céus e os deuses, pois pensa que merece também figurar no panteão sagrado. Depois de derrotar os seus oponentes com grande valentia e mestria, é castigado por Buda e aprisionado numa montanha por 500 anos, devido a tamanha arrogância. Assim reza a lenda, contada e partilhada por gerações. Até que um dia, ao fugir de um ataque de trolls, um pequeno monge budista, Liuer (Zijie Lin/ Kannon Kurowski), liberta por mero acaso o Rei Macaco (Lei Zhang/ Jackie Chan) da sua prisão. E aqui começa a história da animação, quando Su Wukong inicia a contragosto uma caminhada com o pequeno Liuer para recuperar a totalidade dos seus poderes. Durante esta aventura deparam-se com um demónio malvado, criaturas mágicas e muitas cenas de luta.

A presença das artes marciais enche, com efeito, o olho. As cenas de ação estão bem concebidas, fazendo lembrar os antigos filmes chineses de Kung Fu ou mesmo os primeiros trabalhos de Jackie Chan ou Jet Li. Os movimentos são registados por diferentes “câmaras” o que nos entusiasma, no entanto por vezes acrescentam o efeito de “câmara lenta” nestas cenas, o que se torna supérfluo. É de destacar a cena de abertura: sequência vibrante, cheia de cor e de velocidade. Todavia esta sensação não se mantém ao longo do filme, porque apesar de apresentar uma história interessante, o argumento revela-se previsível. Ou seja, conseguimos antecipar a próxima cena, ação ou expressão da personagem. Para além disto, o final é abrupto, um corte frio, depois de algumas imagens deveras entusiasmantes de Su Wukong, chamando à memória a personagem de Son Goku, da manga e série anime «Dragon Ball». Porém, não é novidade que esta popular série se inspirou no livro mitológico chinês Jornada ao Oeste, no qual o Rei Macaco é um dos protagonistas e que o seu nome em japonês é precisamente Son Goku.

«O Rei Macaco» é um grande passo para a animação chinesa, que a nível técnico consegue entrar na competição com os estúdios de Hollywood, e que mergulha no seu folclore, dando-lhe assim uma nova vida. Contudo há importantes arestas a lapidar.

Mídia

Modificado emquarta, 31 maio 2017 13:27
Powered by 7App.pt.