logo

Entrar
Actualizado às 9:31 PM, Aug 22, 2019

Capitão Fantástico

A segunda longa-metragem de Matt Ross no papel de realizador (e argumentista) fez a sua estreia em Sundance no início deste ano, mas foi em Cannes que recebeu o primeiro reconhecimento do seu potencial, com o prémio Un Certain Regard para Melhor Realizador. Mais conhecido pelas suas personagens de «American Horror Story» e «Silicon Valley», e por pequenos papéis em filmes como «American Psycho», «O Aviador» e «A Outra Face», Ross poderá ter aqui o seu bilhete dourado para competir noutras categorias.
Até agora, «Capitão Fantástico» venceu alguns festivais de cinema americanos e já existem rumores quanto à nomeação de Viggo Mortensen para Óscar de Melhor Ator, mas concorde-se ou não com a temática, este filme espelha uma realização supercompetente, uma direção de atores imbatível, uma fotografia notável, uma banda sonora irrepreensível e um elenco que deixará marcas no coração de todos.

Dizer que se trata da história de uma família “diferente” é muito redutor face ao carisma de um filme que, a par de outros como «Uma Família à Beira de um Ataque de Nervos», nos leva numa verdadeira viagem emocional sobre o que faz de nós humanos. Com as nossas falhas e sempre convictos de que estamos a fazer o correto, o que fazer quando o mundo onde estamos integrados não nos compreende e não entende a nossa linguagem?

Para facilitar o trabalho dos atores, Ross colocou o elenco num boot camp, com aulas de ioga, treino de combate, aulas de música e até workshops de como preparar cadáveres de animais (no filme vai perceber porquê!). Viggo Mortensen foi ainda mais longe e chegou algumas semanas mais cedo às filmagens para plantar o jardim que se vê no filme e para viver no local. Com esta preparação, Ross conseguiu arrancar uma performance exímia de Mortensen e ofereceu ao mundo um conjunto de novos atores que certamente darão que falar no futuro. Frank Langella aparece por breves momentos, os suficientes para nos relembrar o seu enorme talento.

Quanto à premissa do filme, Ben (Mortensen) é um pai de seis filhos que escolhe criá-los à margem do que a sociedade entende como uma educação “convencional”. Ele ensina-os a caçar e a meditar, a ler sobre física quântica, treina-os para enfrentarem a Natureza e as calamidades do mundo e, sobretudo, incita-os a pensarem por si próprios, mas depois da morte da sua esposa, esta família é exposta ao universo dos comuns e as suas diferenças acentuam-se. Numa road trip de sentimentos, Matt Ross coloca-nos uma questão fulcral na consciência: afinal, quem está certo? Em qual das posições nos revemos?

Numa altura em que a Humanidade está a ser questionada sobre os seus valores, sobre como chegámos aqui e como deveremos avançar, «Capitão Fantástico» é um convite para pararmos e pensarmos. Não existem fórmulas 100% perfeitas e é o respeito pela diferença que nos eleva enquanto seres. Temos todos a aprender com o universo que nos rodeia e todos têm direito às suas escolhas, mas existe uma beleza incontornável em saber fazer parte do todo, mantendo a individualidade.

«Capitão Fantástico» é sobre a parentalidade, sobre a educação, sobre a diferença, sobre a morte e sobre a vida, mas é também, e acima de tudo, um dos filmes mais belos do ano e um dos mais tocantes dos últimos tempos.

quatro estrelas

Título Nacional Capitão Fantástico Título Original Captain Fantastic Realizador Matt Ross Actores Viggo Mortensen, George MacKay, Samantha Isler Origem Estados Unidos Duração 118’ Ano 2016

 

Mídia

Deixe um comentário

Certifique-se que coloca as informações (*) requerido onde indicado. Código HTML não é permitido.